Visto, lido e ouvido

Circe Cunha (interina)
postado em 26/11/2020 22:56

Absenteísmo revelador

Melhor é culpar a pandemia da covid-19 pelos números recordes e históricos de abstenções no primeiro turno das eleições municipais de 2020. Praticamente, um terço do eleitorado, em todo o país, apto a votar, simplesmente resolveu não comparecer às urnas, escudado, segundo creem as autoridades, pelo medo de contágio.

Para o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Luís Roberto Barroso, o eleitorado teria comparecido em massa mesmo o país estando em plena pandemia. Entre uma realidade e outra, é preciso observar que, verdadeiramente, o que se esconde por detrás desse absenteísmo cívico de um quarto da população está o fato de que os candidatos que se lançaram nesse pleito são por demais conhecidos da população.

No caso dos prefeitos, tiveram vitória fácil apenas aqueles que se empenharam de corpo no combate à pandemia, emprestando todo o suporte de sua administração para minorar os efeitos da virose sobre sua comunidade.

Já nas assembleias legislativas e nas câmaras municipais, a sequência de imagens captadas pelos cidadãos das reuniões desses políticos e disponibilizadas pelas redes sociais serviu como uma espécie de motivo prático para varrer muitos falsos políticos.

É óbvio que, nessa multidão de candidatos veteranos, muitos lograram escapar da faxina feita pelos eleitores e vão, ainda, permanecer mais quatro anos tirando proveito pessoal do cargo, alheios às necessidades da população. O fato é que a pandemia apenas serviu como mais uma desculpa para a ausência dos eleitores, cansados que estão da classe política e da mesmice apresentada pelos partidos políticos, transformados, aos olhos de todos, em uma empresa rendosa para seus líderes.

Por um lado, a fuga de eleitores demonstra que de nada adiantam os bilionários fundos eleitorais e partidários para turbinar a democracia, quando se verifica a baixíssima qualidade dos postulantes aos cargos representativos. Por outro, fica patente também, e isso talvez seja a mais importante lição a se tirar desse pleito gigante, que é mais do que chegada a hora de se promover uma verdadeira reforma política, que aproxime os candidatos da comunidade em tempo integral e não somente de quatro em quatro anos.

É bom que fique claro, ainda, que as redes sociais, mais do que qualquer outra instituição do Estado, têm sido a ferramenta, por excelência, a abrir os olhos do eleitorado para a pantomima em que se transformaram nossas eleições, desde a redemocratização, por enquanto, sem 5G.

A injeção de preciosos e volumosos recursos públicos para partidos e candidatos, ao contrário do que creem as autoridades, tem tido o efeito contrário de espantar os eleitores, cada vez mais desconfiados desse espetáculo burlesco. As necessidades verificadas nessa pandemia, desde o atendimento nos hospitais até a indiferença dos políticos que estão pedindo novamente votos, têm feito o cidadão acordar e dar o troco. É preciso, agora, que esse movimento cívico de indiferença venha fazer a diferença e provocar uma melhoria nesse modelo de democracia que insistem em empurrar, goela abaixo, na população.


A frase que foi pronunciada

“O passado é uma espécie de archote
colocado à entrada do porvir para dissipar parte das trevas que o envolvem.”

Hughes Félicité Robert de Lamennais (1782 -1854).
Filósofo e escritor político francês

 

Fica a dica

» Manoel Andrade, arquiteto e colaborador desta coluna, chama a atenção para o termo “distanciamento social”, adotado quando se trata de pandemia. Na realidade,
trata-se de distanciamento físico. Do social,
a internet tem cuidado.


Voa

» Por falar nisso, leia no Blog do Ari Cunha a íntegra
da poesia de Marcos Linhares, conhecido jornalista da cidade. “Acordei com vontade de viajar, de abrir as asas,
sair de casa, de flutuar”.


Saudades

» Gisele Santoro, viúva do maestro Claudio,
foi surpreendida por uma informação dada pelo filho Alessandro. Canções de amor dirigidas a ela foram descobertas quando navegava pela internet. Ao saber do ocorrido, Janette Dornellas postou para os amigos uma dessas canções cantada por ela acompanhada ao piano pelo maestro Artur Soares.


Bons velhinhos

» A Liga do Bem do Senado, capitaneada pela
diretora-geral, Ilana Trombka, estendeu o espectro das cartinhas ao Papai Noel. Idosos também têm direito a pedidos. Detalhes no Blog do Ari Cunha.

 

História de Brasília

A Novacap está levando avante uma política extremamente danosa para os trabalhadores. Isto de dar comida de graça é acintoso, e foco de agitação. É que, em muitos casos, há, realmente, necessidade, mas a maioria se encosta para receber alimentação, e não quer mais trabalhar. (Publicado em 16/12/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE