OPINIÃO

Visto, lido e ouvido — Nova Corumbiara

Circe Cunha (interina)
postado em 08/05/2021 06:00

Com a intensificação das invasões de terras públicas, principalmente na grande região Amazônica, não chega a ser surpresa que o estado de Rondônia assista, agora, à volta das ligas camponesas depois de passados 70 anos dessa epopeia popular brasileira. Com isso, os rondonienses assistem, em pleno século 21, ao que seria uma edição repaginada das Ligas Camponesas, comandadas por Francisco Julião, que, durante a década de 1950, lutaram pela implementação da reforma agrária “na lei ou na marra”, como diziam seus seguidores naquela época.

Com o nome de Liga dos Camponeses Pobres (LCP), o movimento, segundo autoridades de segurança do estado, vem espalhando o terror na região, invadindo e destruindo propriedades por onde passam e adotando táticas de guerrilha para assustar a população. Fortemente armados e adotando métodos paramilitares semelhantes aos que eram empregados pelos guerrilheiros das Farcs colombianas, esse grupo estabeleceu seu quartel general em plena selva da região, donde sai para combater seus “inimigos”, representados na figura do governador do estado, a quem chamam de carniceiro, e contra o presidente Bolsonaro, classificado pelos insurgentes de genocida.

De acordo com alguns relatos, antes de saírem de seus esconderijos para cometerem atentados, os soldados da LCP serram pontes na região para dificultar o acesso da polícia, e usam métodos de sabotagem para retardar a chegada dos agentes da lei. Em recente comunicado, os comandantes da Liga afirmam: “Estamos em um contexto de fascistização total do velho Estado, por isso, não é de surpreender que o carniceiro e o genocida se unam para tentar, de alguma forma, acabar com a LCP com a desculpa de que estão ‘contendo o terrorismo’. Noutra parte da carta os integrantes dizem que os verdadeiros ladrões de terras os temem porque não houve como parar os camponeses”. O que se sabe, com base nos ensinamentos legados pela história, é que as antigas ligas camponesas, dentro do contexto da época, surgiram em meio à extrema miséria que assolava a região Nordeste e que atingia, sobremaneira, dezenas de milhares de trabalhadores que viviam como arrendatários e parceiros, dentro do secular latifúndio desse semiárido.

Tinham, dentro do que ansiavam naquela ocasião, ou seja, um pedaço de terra com escritura, onde pudessem trabalhar para dar sustento a si e às suas famílias, razão em se rebelar contra o status quo e a opressão econômica que perpetuava a miséria de uma geração para outra. Com a chegada repentina dos militares ao poder, a Liga foi desfeita e suas lideranças, presas ou exiladas.

Hoje, a situação de miséria no Nordeste ainda rende manchetes de jornais e é motivo de migrações de gerações de brasileiros que buscam no Sudeste e no Sul condições melhores de trabalho. Passado quase um século do surgimento das Ligas Camponesas, ainda são as elites políticas que comandam a região com mão de ferro e exploram de forma desumana os trabalhadores e camponeses.

Na Região Norte, a situação é ainda pior, com a existência de grandes latifúndios, geralmente adquiridos de forma ilegal, onde muitos trabalhadores são mantidos presos em regime semelhante à escravidão, trabalhando de sol a sol, sem carteira assinada, sem direitos e sob a mira das carabinas dos jagunços e capangas, contratados para vigiar e matar qualquer um que descumpra as ordens. Se, nesse caso, a história volta a se repetir, com o ressurgimento de movimentos radicais que lutam por terras, é que o pano de fundo, ou seja, a situação econômica, social e política daquele pedaço perdido do país não foi alterada mesmo depois de mais de um século.

Como esperar efeito diferente quando são mantidas as mesmas causas e condições que levaram a essa nova ebulição? Eis a exata pergunta que cabe às autoridades responder antes que uma nova chacina de Corumbiara volte a acontecer a qualquer momento.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE