>> Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br

Correio Braziliense
postado em 07/06/2021 22:48

Paranoia
ou mistificação?

Existem as chamadas condições latentes, isto é, ‘as causas das causas’ dos problemas e as causas imediatas. No momento, a condição latente e operante, tudo ao mesmo tempo agora, é a pandemia. Pelo que se lê nas cartas de leitores ofuscados por nuvens de fumaça, ainda há quem insista no tal ‘tratamento precoce’ jamais comprovado. Houve alguém que falou em off-label para justificar as tenebrosas transações com a cloroquina. Será paranoia ou mistificação que ainda causam cegueira contra todas as evidências? O que não houve, não cansemos de repetir, foi vacinação a tempo de salvar os brasileiros mortos ou que venham a falecer. O que houve tem o nome de negligência, que se define assim: falta de diligência e de cuidados, inadvertência, desatenção, distração, desconsideração, omissão, incúria, inobservância. Desleixo, desmazelo, descuido, displicência, descaso, descuro, relaxamento, relaxo, imprevidência, desídia, desinteresse, indiferença, desmotivação, indolência, menosprezo, preguiça, indolência, relaxo, indiferença. O que está comprovado à exaustão é todo esse repertório de palavreado, que ainda é pouco para nomear tamanho descaso. Não faltam evidências, sobram interpretações jocosas ou mal-intencionadas. Uma cultura de segurança deveria incorporar ações de vigilância coletiva, capazes de transformar efetivamente as condições de sobrevivência dos brasileiros [Fapesp]. Na saúde, na doença, na fome, no desespero. Já alertava Camões, naqueles tempos: Tal há de ser quem quer, com o dom de Marte,/ Imitar os ilustres e igualá-los: Voar com o pensamento a toda parte,/ Adivinhar perigos, e evitá-los Com militar engenho e subtil arte/ Entender os inimigos, e enganá-los;/ Crer tudo, enfim, que nunca louvarei/ O Capitão que diga: “Não cuidei”.
» Thelma B. Oliveira,
Asa Norte


Hipocrisia

Como têm hipócritas em nosso país. Quem está com a razão são os senhores dos laboratórios ou o presidente da República. Não precisa ser nenhum especialista em vacina para averiguar que muitas das vacinas que estão no mercado como outros medicamentos em geral são puramente comerciais do que para salvar vidas. Tem uma vacina que se quer alcança os 50% de imunidade. Mesmo assim, tem muitos defensores do inútil. Um senhor do Butantã, já avisou que a vacinação do oportunista vírus vai ter que ser anual igual ao da gripe e o não querido imposto de renda. Na verdade, este maldito vírus é uma imposição de alguém que até o momento não se sabe de quem. Todavia, como a mentira tem pernas curtas logo, logo, vai aparecer a verdade. Aliás, recentemente saiu na mídia que uma menina de 17 anos ( MA ), ao tomar uma vacina contra a... apareceu grávida. As coisas estão começando a aparecer verdadeiramente. Quanto a outra mentira, diz respeito às mortes que são apresentadas há toda hora pela imprensa. De 2019, para cá os brasileiros só vieram a óbito por causa do vírus da China. É muita hipocrisia. Parabéns a todos do governo federal, pela sinceridade que tem trazido à nação brasileira. Em qualquer momento, irão dizer que a extinção do peixe boi do Amazonas e outros a culpa é do Bolsonaro. Por fim, para que a hipocrisia de dois senadores exporem uma placa com a quantidade de mortos? Hipócrita(s).
» José Bonifácio,
Cruzeiro

 

Futebol

No artigo “Não tem mocinho”( Correio- 5/6), Marcos Paulo Lima fala em “promiscuidades esportivas em todos os governos”. Senta a pua. Sem dó nem piedade. Generalizações são perigosas e injustas. O autor inclui a era Collor no arrazoado. Mas recorda ações nada republicanas apenas de Itamar Franco, sucessor de Collor. O bom senso recomenda esclarecer que o presidente apeado do cargo não teve nada a ver com decisões esportivas atabalhoadas do vice que assumiu o posto. Collor, por sua vez, como presidente, criou a Lei Zico, que modernizou a legislação esportiva. Zico foi secretário de Esportes do governo Collor, de 1990 a 1991.
» Vicente Limongi Netto,
Lago Norte

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE