OPINIÃO

Artigo: A sampdorização da Itália

Marcos Paulo Lima
postado em 26/06/2021 06:00

Permita-me invadir a sua vida profissional. Você deve ter trabalhado em algum time dos sonhos no mundo corporativo. Aquela equipe que valeria a pena ser reconstruída a fim de viver tudo outra vez, ou escrever uma nova história, seja no papel de líder ou colaborador. Para mim, parte do sucesso da Itália na Eurocopa tem a ver com a montagem da comissão técnica.

Há 30 anos, a Sampdoria, clube da cidade de Gênova fundado em 1946, conquistava seu único título no Campeonato Italiano. Foram 51 pontos contra 46 do badalado Milan — bicampeão da Copa dos Campeões da Europa à época, rebatizada de Champions League.

Era mais um capítulo da era dourada da Sampdoria. O mais lindo. Em 10 anos, o time conquistou quatro edições da Copa Itália (1985, 1988, 1989 e 1994), uma Supercopa da Itália (1991), uma Recopa (1990) e perdeu a finalíssima da Liga dos Campeões para o Barcelona. O holandês Ronald Koeman, hoje técnico azul-grená, fez o gol do título catalão.

Mas o que a Sampdoria tem a ver com essa Itália favorita contra a Áustria, hoje, no início das oitavas de final da Eurocopa? O técnico Roberto Mancini; os auxiliares Alberico Evani, Attilio Lombardo e Giulio Nuciari; e o chefe da delegação Gianluca Vialli. Todos eles eram jogadores, fizeram parte daquela geração dourada da Sampdoria e estão juntos novamente, agora com a missão de tirar a Squadra Azzurra da fila de 52 anos sem título continental.

Mancini, Nuciari, Lombardo e Vialli jogaram com os brasileiros Toninho Cerezo e Silas sob a batuta do técnico sérvio Vujadin Boskov. Amargaram o vice da Champions League contra o Barcelona, de Koeman, Guardiola, Laudrup e Stoichkov, liderado pelo técnico Johan Cruyff.

Naquela época, o líder da Sampdoria em campo tinha gestão de técnico. Mais do que camisa 10, Mancini usava braçadeira de capitão. Colecionou sete troféus e três prêmios individuais.

Cercado de um grupo corporativo com mentalidade vencedora e espírito de equipe como a dele, Mancini “sampdorizou” a Itália nesta Eurocopa. Aos 56 anos, comanda uma seleção invicta há 30 jogos. Acumula 10 vitórias consecutivas. Não sofre gol há 11 partidas (1.055 minutos). Se não perder hoje, quebrará o recorde do técnico Vittorio Pozzo, maestro da Itália no bi da Copa do Mundo em 1934 e 1938. Pozzo ostentou 30 sem perder de 1935 a 1939.

Wembley é o palco perfeito da “sampdorização” da Itália. Ali, o time de Gênova atingiu o ápice na final da Champions League. No mesmo endereço, Mancini e seu velho grupo de trabalho podem ajudar a Itália a dar mais um passo para voltar ao templo do futebol inglês, em 11 de julho, na decisão da Eurocopa. Nada como um velho grupo para escrever uma nova história.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE