opinião

Artigo: Fogo cruzado

Muitos movimentos procuram ver nos antepassados crimes e práticas seletivas, mediante os grupos sociais a que estes homens e mulheres pertenciam

Victor Missiato*
postado em 10/08/2021 06:00 / atualizado em 10/08/2021 07:45
 (crédito: Daniel Eduardo/ Twitter/ reprodução )
(crédito: Daniel Eduardo/ Twitter/ reprodução )

No filme Cruzada (2005), o Balião de Ibelin, interpretado pelo ator Orlando Bloom, ao estabelecer um acordo com o líder muçulmano Saladino, questiona-o acerca do valor de Jerusalém (“What is Jerusalem worth?”). Entre os séculos 9 e 13, reconquistar a Terra Santa significava estabelecer uma redenção e uma remissão no plano terreno para milhares de católicos.

A partir desses movimentos, uma Europa Moderna passou a ser construída. Posteriormente, ocorreria a criação do estado moderno português, a unificação espanhola, a expansão marítima, as Reformas Protestantes e a invenção da América. Em todos esses processos, havia um sentimento coletivo voltado para a transformação social dos povos e territórios conquistados. Levar a palavra de Deus e construir o Novo Mundo passaram a ser iniciativas complementares no início da modernidade europeia.

O imaginário cristão e moderno permaneceu entrelaçado até o século 18, quando outra etapa da modernidade ascendeu em algumas regiões europeias, utilizando-se, aqui, das etapas propostas por Marshall Berman em Tudo que é sólido desmancha no ar. Alexis de Tocqueville, em O Antigo Regime e a Revolução, observou atentamente o modo como as revoluções modernas, principalmente a versão francesa, mais radical e universal, apropriaram-se da cultura religiosa no que tange aos aspectos ritualísticos, simbólicos e humanísticos.

De acordo com o pensador francês, “a Revolução Francesa operou, com relação a este mundo, precisamente do mesmo modo que as revoluções religiosas agem com vistas ao outro; considerou o cidadão de um modo abstrato, apartado de todas as sociedades particulares, assim como as religiões consideram o homem em geral, independentemente do país e da época”. Diante disso, heróis, rituais e uma nova relação com o tempo e espaço passaram a compor a gramática social dos novos revolucionários. Conforme bem ilustrou o historiador François Furet, a Revolução Russa absorveu muito da influência da Revolução Francesa em seu projeto revolucionário.

Subjazem dessas construções narrativas que ainda compõem o universo revolucionário contemporâneo. Entre as características que permaneceram ao longo do tempo está a tentativa de reconstruir um novo passado, mediante o presente, com vistas a construir uma nova humanidade no futuro. E uma das principais práticas recorrentes desses processos é a queima de estátuas em diversos países.

A partir de uma leitura enviesada e completamente anacrônica, muitos movimentos procuram ver nos antepassados crimes e práticas seletivas, mediante os grupos sociais a que estes homens e mulheres pertenciam. Em vista disso, Borba Gato passou a ser considerado um genocida, enquanto o Quilombo de Palmares, que preservava a condição de alguns escravos, é visto como um espaço exclusivo de resistência contra a “opressão branca”. Portanto, estátuas e monumentos continuam sendo utilizados como espaços de transformação da cidade a partir de uma perspectiva autocrática, quando apenas um determinado grupo opta, sem qualquer tipo de deliberação democrática, refazer a cidade com seus heróis.

Evidentemente, não se trata de manter qualquer tipo de endeusamento ao bandeirantismo, ou qualquer ator social que tenha cometido violências no passado, mas preservar a memória e reformulá-la, a partir dos novos conhecimentos e costumes, significa fazer do espaço urbano um ambiente de contínua reflexão e debate. Exemplos positivos, como Berlim e Santiago de Chile, onde memórias do holocausto e da ditadura de Pinochet permanecem em constante diálogo no cotidiano das ruas, ilustram como a cidade moderna pode conviver com seu passado sem a necessidade de apagá-lo e produzir novas meias-verdades.

A lição histórica mais clássica dessas tentativas encontra-se na biografia de Robespierre, líder da Revolução Francesa, que incentivou o uso da guilhotina e acabou sentenciado à morte por esse mesmo instrumento. A lâmina da história costuma ser implacável.

* Victor Missiato é Doutor e professor de História do Colégio Presbiteriano Mackenzie Brasília. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Psicossociais sobre o Desenvolvimento Humano (Mackenzie/Brasília) e Intelectuais e Política nas Américas (Unesp/Franca)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE