OPINIÃO

Visto, lido e ouvido — A fome no paraíso da produção de alimentos

Desde 1960 Circe Cunha (interina) // circecunha.df@dabr.com.br
postado em 09/10/2021 06:00

Difícil é explicar para qualquer pessoa sensata a situação paradoxal que faz com que o Brasil, mesmo com o maior rebanho bovino do planeta, com 217 milhões de cabeças, tenha que exibir ao mundo cenas tão dramáticas, mostrando famílias buscando ossos em contêineres de descarte nos centros de abastecimento de alimentos, à vista de todos, como quem vai às compras no mercado.

São imagens que mostram a distância estelar existente entre o portento de um país exportador de produtos agropastoris e seus habitantes, impedidos de acessar esses bens, enviados para portos de todo o mundo. Com isso, fica a patente a expressão que diz que o agronegócio não produz alimentos, mas lucros, altos e concentrados em poucas mãos, apesar de figurar como protagonista quando o assunto é balança comercial. O problema é que essa balança parece nunca pender a favor da população de baixa renda nem de nenhum brasileiro mediano. Trata-se de uma situação que, mais do paradoxal, expõe para todo o mundo uma inegável realidade que faz dos cidadãos de baixa e média renda categorias sociais de segunda classe, alijadas das mínimas condições de sobrevivência com dignidade.

A transformação desses alimentos e sua inserção na classificação estrangeira de commodities, tabelando seus preços pela variação da oferta e da procura no mercado internacional, movido ao peso do dólar, deu a esses alimentos básicos, que no passado integravam o cardápio popular, um rótulo chique, que, em última análise, estabelece uma proibição tácita para que seja consumido por grande parte dos brasileiros.

Uma visita aos supermercados do país mostra que até mesmo a classe média, que anteriormente consumia esse alimento com certa frequência, hoje passa longe dos açougues e mais distante da chamada carne de primeira. Qualquer desses argumentos apresentados pelos defensores desse tipo especial de produção de alimentos, dentro do exclusivíssimo clube dos senhores do agrobusiness, cai por terra diante das imagens mostrando populações se lançando aos ossos, em meio às moscas, como cães famintos à procura da proteína.

A mesma situação se repete na produção de carne de frango, na qual o Brasil ocupa o segundo posto de produtor mundial, com 14.350 milhões de toneladas por ano. Mesmo esse alimento vem se tornando inacessível para os consumidores de baixa renda, com parte da população comprando o que seriam miúdos dessa ave, como pés, pescoço e outras partes menos nobres. Com a atividade da piscicultura, a questão proibitiva dos preços desses alimentos para as populações mais carentes se repete também. Apesar de possuir uma costa marítima de 10.959 quilômetros de extensão e contar com uma frota pesqueira que cresce a cada ano, e com uma produção anual girando em torno de 803 mil toneladas, o consumo desse alimento nos supermercados é limitado às classes de renda alta e média alta, ou seja, totalmente fora do cardápio das famílias brasileiras.

Para a manutenção desse verdadeiro estado de segregação da população de baixa renda e seu acesso a alimentos de qualidade, tem sido eficaz o trabalho desempenhado pela chamada bancada do agrobusiness com assento no Congresso. Ao representar apenas os interesses comerciais dos grandes produtores de proteínas, a bancada cumpre o que espera dela o mercado internacional, mesmo que isso custe a fome de seus patrícios, que, por um acaso, são também seus eleitores.

Enquanto o Brasil encanta o mundo como celeiro da humanidade, triplica internamente a pobreza no país, com o número de pobres saltando de 9,5 milhões de em agosto de 2020 para mais de 27 milhões em fevereiro de 2021, segundo a Fundação Getulio Vargas (FGV). Surpreende que os mercados nas principais cidades do mundo ainda tenham sido, até agora, alvo de saques das famílias em estado famélico grave. É uma situação que aguarda acontecer, caso tardem medidas efetivas que acabem com esse banquete bilionário de alimentos a excluir o grosso da população.

 

A frase que foi pronunciada

“Há pessoas no mundo com tanta fome que Deus não pode aparecer a elas, exceto na forma de pão.”

Mahatma Gandhi

 

Novo ensino médio
Uma ideia, um projeto e uma escola acolhedora. Ingredientes necessários para que Giulia Bicalho colocasse as mãos na massa e inaugurasse a primeira rádio interna escolar. Nos 20 minutos de intervalo, música e informação. Uma bela maneira de arrefecer os danos da pandemia.


Pelo Brasil
Vale a pena visitar, no Facebook, o perfil do Instituto General Vilas Boas. São muitas notícias importantes e sérias. Pelo Blog do Ari Cunha facilitamos postando o link.


História de Brasília

Há um técnico que dorme num quarto onde guardam a sucata de material. Deste jeito, não é de se admirar que o serviço seja moroso, ruim e de pouca rentabilidade.
(Publicada em 10/2/1962).

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE