OPINIÃO

Quem imortalizaria sua camisa?

Marcos Paulo Lima
postado em 09/10/2021 06:00

Aos 41 anos, Pau Gasol vive um momento mágico. Bicampeão da NBA — a liga profissional de basquete dos Estados Unidos—, o pivô espanhol encerrou a carreira e soube por um tweet da proprietária do Los Angeles Lakers, Jeane Buss, que terá o número da camisa dele imortalizado pela franquia californiana. “Nunca foi uma questão de ‘se’ retiraríamos o número 16, mas ‘quando’”, escreveu a executiva na rede social. Nascido em Barcelona, o ídolo foi coadjuvante da lenda Kobe Bryant nas conquistas dos anéis de 2009 e 2010. Ajudou a equipe a alcançar o recorde do Boston Celtics. Os dois times ostentam coleções de 17 troféus.

Pau Gasol usou a jersey dourada, roxa e branca em 429 jogos oficiais. Fez 7.610 pontos. Pegou 4.240 rebotes e deu 1.508 assistências. Aniquilou o “Superman” Dwight Howard na decisão de 2009 contra o Orlando Magic. Nas finais de 2010, rivalizou com Kobe Bryant pelo MVP da final. Teve média de 18,6 pontos e 11,6 rebotes na série contra o Boston Celtics e ouviu do parceiro: “Não há debate. Quando se aposentar, Pau terá uma camisa imortalizada ao lado da minha”.

A camisa 16 de Pau Gasol ascenderá ao teto do mítico ginásio Staples Center ao lado dos números de Kobe Bryant (8 e 24), Wilt Chamberlain (13), Elgin Baylor (22), Gail Goodrich (25), Magic Johnson (32), Kareem Abdul-Jabbar (33), Shaquille O’Neal (34), James Worthy (42), Jerry West (44), Jamaal Wilkes (52) e do comentarista Chick Hearn.

O espanhol será o sexto estrangeiro a ter o número retirado por um time da NBA. Igualará os croatas Drazen Petrovic (Brooklyn Nets) e Peja Stojakovic (Sacramento Kings); o franco-belga Tony Parker (San Antonio Spurs); o lituano Zydrumas Ilgauskas (Cleveland Cavaliers) e o sérvio Vlade Divac (Sacramento Kings). Pau Gasol guiou a Espanha ao título mundial em 2006, ao tri europeu (2009, 2011 e 2015) e a duas pratas (Pequim-2008 e Londres-2012) e um bronze olímpico (Rio-2016). Entrará no Hall da Fama quando completar cinco anos de inatividade.

O êxito esportivo do astro motiva a reflexão social do lado de fora da quadra. Quem aposentaria a sua camisa? Quantas cestas, assistências, desarmes, rebotes e tocos você faz em defesa de um mundo melhor, um cotidiano justo, leve e divertido? A pergunta vai além do mercado corporativo. Falo de questões humanas, da vida como ela é no dia a dia. Vale parar um minuto no seu canto e meditar: o que temos de tão especial na nossa biografia para merecer um dia de Pau Gasol?

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE