Ana Dubeux

Ao jornalismo, com paixão

Ana Dubeux
postado em 10/10/2021 06:00 / atualizado em 10/10/2021 13:20
 (crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)
(crédito: Maurenilson Freire/CB/D.A Press)

Quando escolhi o ofício de jornalista, tinha aqueles olhos graúdos e compridos, enxergando de longe o que me esperava. Fui movida pela paixão de descobrir coisas, entrevistar pessoas interessantes, aprender através do conhecimento relatado a partir de testemunhos, de trabalhos concretos de gente que tinha o que dizer e mostrar. No dia a dia da profissão, pelos caminhos nas redações, descobri que o jornalismo é tão mais...

O Nobel da Paz, concedido a dois jornalistas, prova isso e não desmente a intuição que logo me açoitou ao começar na redação. Jornalismo é o exercício diário da liberdade de informar a sociedade, de cobrar das autoridades, de desafiar os ditadores e de fazer valer a lei, independentemente de incomodar, expor as entranhas do poder e revelar a verdade para que a justiça possa ser feita.

Jornalismo é construção, é missão, é luta. Maria Ressa, das Filipinas, e Dmitry Muratov, da Rússia, ganharam justamente um prêmio que não exalta apenas suas próprias trajetórias no jornalismo investigativo, mas deixa claro a importância do jornalismo para algo mais: justiça e paz.

Eles empreendem lutas exaustivas e diárias, são ameaçados e não desistem do compromisso com a verdade e a liberdade de expressão, valores difíceis de serem sustentados em tempos tortuosos, em que a ditadura mostra sua face em tantos pontos do mundo.

Atacar jornalistas virou esporte e, não raro, pretexto para esconder corrupção. Mas, numa época de fake news e pós-verdade, o jornalismo mostra com frequência sua força e seu poder contra quem deseja desbancar a democracia, que, afinal, é o bem maior que defendemos quando assumimos o compromisso com a nossa profissão. O que seria de nós nesta pandemia se não fosse o jornalismo?

Continuo alerta e amante do meu ofício. Continuo orgulhosa de acompanhar a trajetória de jornalistas brilhantes, muitos dos quais convivo diariamente. Continuo, com olhos graúdos e compridos, a observar como o jornalismo é essencial para preservar a democracia e a liberdade de expressão. Afinal, como disse Dmitry Muratov em entrevista ao repórter Rodrigo Craveiro publicada, ontem, aqui no Correio: “Apenas fazemos o nosso trabalho”.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE