Visão do Correio

Questão de dignidade

O texto original do PL previa que a distribuição para as presidiárias seria financiada pelo Fundo Penitenciário Nacional. E para os outros casos, o dinheiro sairia do Sistema Único de Saúde

Correio Braziliense
postado em 11/10/2021 06:00

Na semana que passou, mais precisamente na quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro vetou trechos do Projeto de Lei 4.968/2019 — aprovado em 14 de setembro no Congresso Nacional —, que cria o Programa de Proteção e Promoção da Saúde Menstrual. Entre eles, o que seria mais importante para as mulheres em situação de vulnerabilidade extrema, em situação de rua, presidiárias, internadas em unidades socioeducativas e estudantes de baixa renda de escolas públicas: a distribuição gratuita de absorventes femininos. As justificativas para o veto são: “contrariedade ao interesse público e inconstitucionalidade” e não haver definição de onde sairia o dinheiro para custear o projeto. O texto original do PL previa que a distribuição para as presidiárias seria financiada pelo Fundo Penitenciário Nacional. E para os outros casos, o dinheiro sairia do Sistema Único de Saúde (SUS).

Depois da pressão de vários setores da sociedade, inclusive do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), a Secretaria de Comunicação (Secom) publicou em rede social que o governo estuda viabilizar a proposta. “Apesar dos vetos, o governo federal irá trabalhar para viabilizar a aplicação dessa medida, respeitando as leis que envolvem o tema, para atender de forma adequada as necessidades dessa população.”.

Em média, uma mulher gasta cerca de R$ 210 por ano com absorvente, ou R$ 17,50 por mês. Por isso, chegamos ao cúmulo de ver uma mulher ser obrigada a decidir se vai comer ou comprar absorvente. Um retrato da pobreza extrema que assola o Brasil. E, por isso, a indignação pelo veto do presidente Jair Bolsonaro à distribuição de absorventes no país. Indignação que não é compartilhada por uma mulher, que deveria ser a primeira a apoiar o PL: a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. Segundo ela, “hoje a gente tem que decidir, a prioridade é a vacina ou é o absorvente? As mulheres pobres sempre menstruaram nesse Brasil e a gente não viu nenhum governo se preocupar com isso. E agora o Bolsonaro é o carrasco, porque ele não vai distribuir esse ano”. Segundo ela, depois da pandemia haverá dinheiro para a distribuição.

Passada a decisão, o governo admite rever sua posição. Ainda não há detalhes de como seria viabilizado. Rodrigo Pacheco já tinha sinalizado, na sexta-feira, que o veto de Bolsonaro deve cair: “O Congresso está pronto para contribuir com o governo nas soluções de cunho fiscal, mas considero desde já que esse veto é candidatíssimo a ser derrubado”. Independentemente de onde vier a solução, o fato é que todas as mulheres têm o direito à dignidade, ao respeito e à saúde.

A pobreza menstrual atinge hoje, no Brasil, cerca de 713 mil meninas, que vivem sem acesso a banheiro ou chuveiro em seu domicílio. Mais de 4 milhões não têm acesso a itens mínimos de cuidados menstruais nas escolas, segundo o estudo “Pobreza Menstrual no Brasil: desigualdade e violações de direitos”, feito pela Organização das Nações Unidas (ONU). Cerca de 25% das meninas entre 12 e 19 anos já deixaram de ir à escola ao menos uma vez por não ter absorvente. E, na falta do produto, elas são obrigadas a usar papel higiênico, jornal, pedaços de pano e miolo de pão. O resultado na saúde começa por infecções urinárias e genitais frequentes. Lembrando que quando as doenças são detectadas, o tratamento é feito pelo SUS.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE