OPINIÃO

Ciranda imperfeita num país de risco

Correio Braziliense
postado em 03/11/2021 06:00

O Brasil projetado nos computadores dos investidores se distancia rápido do país que o governo tenta vender como economia em franca recuperação, seguindo o que os economistas chamam de crescimento em "V", representação de vertiginosa expansão após queda. Na semana passada, em mais uma de suas colocações inadequadas, o ministro da Economia, Paulo Guedes, classificou de "conversinha" as previsões que vêm indicando inflexão das taxas de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) e aumento da inflação.

Guedes insiste num cenário descolado dos rumos dos indicadores econômicos e vai na contramão do próprio Banco Central, sem convencer sobre a tese de que "cada um vai fazer o seu trabalho" pelo crescimento. Ao que parece ser uma pregação em deserto, a autoridade monetária promoveu o maior aumento da taxa básica de juros em quase duas décadas, enquanto o Palácio do Planalto avança o sinal do gasto público.

A deterioração das contas do governo, que articulou a liberação de bilhões de reais em ano eleitoral, leva a taxa básica de juros (Selic), de 6,25% ao ano para 7,50% anuais, ao nível mais alto dos últimos quatros anos. Com surpresa, a Federação das Indústrias do Rio de Janeiro considerou o aperto exagerado pela simples razão de que a inflação elevada não resulta de demanda da população. Em seu comunicado, o Comitê de Política Monetária (Copom) apresentou como justificativa a piora do quadro fiscal.

A expectativa é de que a Selic encerre 2021 em 9,25% ao ano. Para 2022, espera-se que a taxa rompa os dois dígitos e fique em 10,25%. As previsões de inflação subiram pela 30ª semana, agora, de 8,96% a 9,17% neste ano e de 4,40% a 4,55% em 2022. São números bem superiores ao centro da meta de 3,75% em 2021 e 3,5%no ano que vem.

Outros países, como o Brasil, convivem com crise de insumos, a exemplo da energia elétrica, e a retomada da economia mundial pressiona a oferta dos combustíveis, traduzida na elevação dos preços do petróleo. A diferença está nas incertezas política e fiscal irradiadas do Palácio do Planalto, e que alimentam os reajustes decorrentes do custo de matérias-primas e seus reflexos na desvalorização do real frente ao dólar.

Esse desafio, no entanto, só parece ser percebido e combatido pelo BC. Enquanto isso, o ministro defende o drible no teto de gastos, o adiamento do acerto dos precatórios e desconhece as dificuldades que os juros mais altos vão impor a um país que necessita crescer. A diretriz que os analistas de bancos e corretoras sinalizam é de que a Selic não terá volta e deve alcançar dois dígitos no ano que vem.

A falta de convergência no discurso do governo se agrava quando o BC promove um arrocho monetário que os brasileiros não viam há anos, uma espécie de tiro no pé, uma vez que o Brasil precisa de crescimento e recuperação de emprego, frente a 2020, em abertura sustentável de vagas. Não aquelas dominadas pela informalidade, mas as oportunidades capazes de frear a desocupação com oportunidades que não venham precarizar as condições do trabalhador.

A ciranda que complica a situação do país está formada. A mesma decisão de turbinar os juros básicos da economia como mecanismo de controle da inflação torna o crédito mais caro, o que significa menos investimentos, empregos e consumo. É um tipo de luxo inaceitável num país combalido pelo drama de mais de 600 mil mortos pelo coronavírus, uma população de 31,1 milhões de desempregados e subocupados e mais de 581 mil empregadores que fecharam seus negócios nos últimos dois anos, segundo o IBGE.

CONTINUE LENDO SOBRE