Opinião

A variante do desassossego

Correio Braziliense
postado em 30/11/2021 06:00
 (crédito: Getty Images)
(crédito: Getty Images)

Um tsunami movido a pânico e escassez de informação concreta sobre a ômicron, nova variante do coronavírus, varreu o mundo na última sexta-feira. Aversos a incertezas e temerosos de retrocessos na retomada da economia global, investidores de mercados financeiros foram os primeiros a reagir. O resultado foi o derretimento de ativos nas principais bolsas de valores do planeta, com impacto direto, ainda, na cotação de diversas moedas, como o real.

Nesse mesmo dia, vários governos - entre eles, o de Brasil, Estados Unidos, Canadá, Israel, Reino Unido e União Europeia - decidiram impor restrições aéreas à entrada de viajantes oriundos de, pelo menos, oito países do continente africano, devido à nova cepa ter sido identificada, pela primeira vez, na África do Sul. Apesar de a descoberta da variante ter ocorrido lá, o fato não implica, necessariamente, que a origem do vírus seja o país. Mas o temor de novos reveses no combate à pandemia falou mais alto.

No epicentro da confusão, as primeiras notícias sobre a ômicron davam conta de que a variante seria altamente transmissível. Além disso, abrigaria uma grande quantidade de mutações - até três vezes mais que a delta -, cerca 30 delas localizadas na proteína spike, porta de entrada do coronavírus nas células humanas e, por essa razão, um dos principais alvos das vacinas contra a covid-19. São essas metamorfoses as que mais preocupam os cientistas envolvidos nos estudos sobre a ômicron.

Logo, levantou-se a hipótese de que os imunizantes atuais poderiam ser ineficazes para combatê-la. E, apesar de ainda se saber muito pouco sobre a variante, a farmacêutica americana Moderna prometeu que até o início de 2022 terá uma vacina específica para combater a ômicron. No fim de semana, porém, começaram a circular informações dando conta de não haver evidências ou comprovação científica de que a nova cepa é realmente mais transmissível que outras surgidas anteriormente. Isso porque a velocidade da disseminação estaria ocorrendo devido à baixa cobertura vacinal nos países do continente africano. E, até então, sem associação a aumento de casos graves e de mortes.

Primeira a alertar para os riscos da ômicron e a classificá-la como variante de preocupação, a mesma atribuída à delta, a Organização Mundial de Saúde (OMS) posicionou-se contra a decisão de governos que fecharam as fronteiras aéreas em reação ao temor de novo recrudescimento da pandemia. E fez um apelo para que revejam a medida. "É fundamental que os países que são abertos com seus dados sejam apoiados, pois essa é a única maneira de garantir que recebamos dados importantes em tempo hábil", diz comunicado assinado pela sul-africana Matshidiso Moeti, diretora regional da organização.

Na África do Sul, as primeiras descrições feitas por médicos que trataram de pacientes infectados pela variante indicam que a cepa se espalha rapidamente, mas sem resultar em grande número de casos graves. Primeira a identificar a nova variante, a médica sul-africana Angelique Coetzee relatou que analisou dezenas de infectados e, até então, todos apresentavam sintomas "extremamente leves". Ressalvou, contudo, que era preciso avaliar os efeitos por mais tempo, principalmente no caso de pessoas vulneráveis.

Na avaliação do ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, o Brasil está preparado para lidar com a nova variante. Mas, em meio à incerteza e ao medo que tomou conta do mundo, além do muito pouco que se sabe sobre a ômicron até agora, o melhor no momento é acelerar a vacinação contra a covid-19, aprofundar os estudos e continuar com as medidas preventivas, como o uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento físico. A receita é da OMS e vale para o Brasil e para qualquer outro país.

 


CONTINUE LENDO SOBRE