» Sr. Redator

Correio Braziliense
postado em 25/12/2021 00:01

Solidariedade natalina

Acredito que todos nós troquemos mensagens com os bons votos para um feliz Natal e um 2022 que seja bom e próspero para todos. Há os que passam dos votos para ações de solidariedade aos menos afortunados, que pensam nos outros, sobretudo nos que estão "em situação de rua", necessitados ao extremo. Estes recebem "cestas básicas" e roupas e cobertores que lhes agradam sobremaneira. Contudo, uma reflexão se nos acomete: por que há pessoas tão carentes em um país continental, "rico por natureza"? Uma das respostas possíveis está no fato de que que não há justa distribuição da riqueza. A mídia nos traz a notícia de que "os ricos se tornaram mais ricos, em 2020 e 2021, e os pobres ficaram mais pobres". Por isso, o Natal deve nos animar a quebrar esse padrão. Cada um fazendo sua parte pode mudar a situação desses brasileiros desafortunados, a começar dando-lhes agasalhos, alimentos e, se possível, atendimento de saúde e educação. Com isso, o Natal será para comemorar o motivo da existência dessa festa, o Cristo que multiplicou pães e peixes para a multidão que o seguia. Sejamos solidários ao menos com uma família que pouco tem a comemorar.

Aldo Paviani

Lago Sul

Crianças: consulta pública sobre vacina

A consulta devia ser só com médicos, bioquímicos e farmacêuticos, porque a vacina não é obrigatória e, no Brasil, a maioria da população é de analfabetos funcionais. Isso tudo é só pra atrasar um pouco mais. Por que não abre consulta pública para cortar cartão ilimitado da presidência, para cortar esse tanto de verba indenizatória dos parlamentares, para cortar esse monte de benefícios absurdos dos políticos? Ah, isso não, porque isso o povo entende, de injustiça, de desigualdade social. Ó, Brasil, tu não tens jeito. Quer dizer que, se os antivacina forem maioria no voto, os outros perdem o direito a imunizarem seus filhos?

Helena Oliveira

Asa Sul  

» Eu, cidadão comum, sem conhecimento científico, como posso opinar a respeito? Parece-me que cabe aos profissionais da saúde dar o parecer, e não a sociedade civil.

Gilberto Berri

Plano Piloto

» Consulta pública? Depois de 160 milhões de primeira dose. Depois de 145 milhões de segunda dose. Depois de 25 milhões de doses de reforço... Ainda precisa de consulta pública? Se essa consulta fosse realmente aberta, de forma lisa, isonômica, o governo passaria vergonha. Mas é uma consulta feita no site do Ministério da Saúde, que já provou que não tem segurança alguma.

Sânzio Antonio Mendes Vieira

Asa Norte

» Caracas! Isso é só embromação. Enquanto isso, o vírus avança, sofre mutações e as crianças morrem! Cabe aos cientistas decidirem sobre a vacina! Em que poderiam ajudar os leigos?

Heliane Bomfim

Lago Norte

» Ministério importante "enrolando" imunização já em prática no mundo. Meia dúzia de imbecis fazem ameaças, e o governo titubeia. "Consulta pública" para adoção de vacinação de crianças é a última "pérola" da temporada. Não se esqueçam de chamar curandeiros para a "consulta".

Noel Samways

Taguatinga

» Traduzindo: o governo Bolsonaro assume, publicamente, que é incompetente e não entende nada de vacina. Assim como bons negacionistas, não confia no corpo científico do próprio governo. Bem como, mais uma vez, tentará botar a responsabilidade da decisão para a sociedade. Levando uma discussão técnica para um Fla x flu. Eita, governo ruim!

Luiz Carlos Casado

Página do Correio no Facebook 

Aumento salarial para policiais

Enquanto famílias estão passando fome, mais de 14 milhões desempregados, não se deve dar aumento salarial para nenhuma categoria. Isso é um escárnio com a sociedade.

Evandro Cunha

Ceilândia

 

Tags

CONTINUE LENDO SOBRE