opinião

Ana Dubeux: História é também memória

Ana Dubeux
postado em 24/04/2022 06:00
 (crédito:  Carlos Vieira/CB)
(crédito: Carlos Vieira/CB)

No impressionante filme Para sempre Alice, a personagem principal, uma mulher com Alzheimer precoce, traça uma rota de fuga dos próprios esquecimentos escrevendo bilhetes-guia para quando a memória só tiver pontas soltas. Uma estratégia para ligar os pontos de seu cotidiano de forma independente. Ter memória é de certa forma um jogo de liga-pontos, uma leva a outra.

Desde a semana passada, ligo os pontos de uma trajetória singular, que tenho acompanhado de perto há mais de duas décadas. Brasília e o Correio Braziliense proporcionam, não só a mim, mas a tantos leitores, uma memória coletiva, que se transformam em história, biografia, trajetória, como queiram.

Pelos 62 anos que caminham juntos, um jornal e uma cidade formam um elo indissolúvel. Corrente. Em especial, quando repercutem na vida das pessoas. Hoje, quero relembrar registros e campanhas, que viraram solidariedade, ativismo, ação, transformação, mudança mesmo.

A título de curiosidade, nosso Cedoc encontrou achados de tempos remotos, quando a coluna do leitor revelava reclamações um tanto prosaicas. Por exemplo: "Não se justifica que numa cidade com todos os recursos da técnica moderna, seus moradores tenham o sono cortado por onda perturbadora de mosquitos".

Ou: "Um vizinho montou um galinheiro em frente à entrada onde mora, na 412". Ainda: "O lambretista abusado que quase mata o menor e ainda vai à casa do pai pedir que o menino não brinque na porta de casa". Até hoje, o Correio registra na sua coluna, Grita Geral, as reclamações dos leitores — bem menos excêntricas, é verdade.

Além disso, o Correio ativou, sozinho ou em conjunto com o governo ou entidades da sociedade civil, muitas e muitas campanhas. Foi militante incansável pela faixa de pedestres e pela paz no trânsito — os mais velhos podem contar às novas gerações sobre a histórica passeata, as incontáveis capas de jornal exigindo justiça pelas mortes no trânsito. Podemos dizer que choramos muitas vidas, ao lado de famílias dilaceradas, mas salvamos outras tantas, com a redução histórica das mortes no trânsito.

Ajudamos a evitar barreiras no Eixão e incontáveis mudanças esdrúxulas de destinação de áreas que favoreceriam a especulação imobiliária em detrimento de nosso patrimônio cultural. Sem falar na campanha contra o 14º salário dos distritais e contra os gazeteiros; o projeto Cidade Limpa; tantos crimes que o Correio engrossou o grito por solução e justiças.

Mesmo com tantas mudanças no jornalismo nos últimos anos, em que a produção de informação é hoje compartilhada e o risco de fake news é tamanho, entendemos que a vocação de um jornal é estar ao lado de sua cidade — para relatar, analisar, transformar e, por que não, resgatar as suas memórias.

 

CONTINUE LENDO SOBRE