A revolução dos asnos

Correio Braziliense
postado em 07/05/2022 00:01

Pudesse um asno falar ou zurrar, ou ainda mais, tecer comentários em "zurrês" sobre política externa e outros assuntos complexos, por certo, estaríamos a muitas léguas da terra dos homens, onde a realidade queima como fogo. Nesse caso, estaríamos completamente imersos no mundo das fábulas infantis, em que os animais conseguem não só falar corretamente, como, ainda por cima, dar lições de moral e de ética para seus ouvintes. Com todo respeito aos nossos irmãos quadrúpedes jumentos, jegues, burros, mulas e aparentados, esses seres que trabalham de graça são mansos, e não fazem pirraça.

Mas, hoje em dia, tornou-se comum ouvir dos seres humanos, ditos racionais, frases e até pensamentos inteiros que, no crivo arrochado da razão, se mostram como verdadeiras asneiras, zurradas, solenemente, aos quatro ventos, como se fossem sentenças primorosas e recheadas do mais alto grau de sabedoria e expertise. O mais complicado é ter de ouvir tais parvoíces diretamente de quem, pelo altíssimo cargo que almeja nas próximas eleições, jamais deveria dizer. Ainda mais para a sempre astuta imprensa internacional, que não se cansa de armar arapucas para capturar políticos do terceiro mundo. Mais do que uma metamorfose ambulante, Lula, talvez pela idade e cansaço, desiludido com seus correligionários e desencantado da vida, vai, a cada pronunciamento que participa, atingindo um patamar mais elevado de estultices.

"Fecha a boca Magda", deveriam gritar seus assessores, diante dos seguidos vexames. Uma coisa é falar baboseiras aqui dentro e para sua claque. Outra, muito diferente, é dizê-las para aquela parcela do público estrangeiro que lê e pensa no que leu. Lula envergonha os brasileiros que pensam. Mas já que foi reinventado pelos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), com a tarefa exclusiva de voltar a subir, com toda a sua turma, a rampa do Palácio do Planalto, é preciso ouvi-lo em suas diatribes destrambelhadas, mesmo que diga que o presidente da Ucrânia, Volodymir Zelensky, também tenha culpa pela invasão de seu país pelas tropas russas.

Talvez, dentro do cemitério de neurônios que é a cabeça de Lula, esse fato se deu porque não teria Zelensky convidado o criminoso de guerra, Putin, para tomar uma ou mais cervejas na mesa do bar e discutir as diferenças. Tempos bons aqueles em que os eleitores lançavam animais de verdade nas disputas eleitorais. Depois do cavalo Incitatus, lançado para o Senado na Roma antiga, quem não se lembra do rinoceronte Cacareco, que, em disputa para a Câmara dos Vereadores de São Paulo, conseguiu a façanha de obter mais de 100 mil votos.

Tempos mais animados aqueles em que o gato Stubbs era eleito para governar a cidade de Talkeetna, nos Estados Unidos, em 1997. Ou a quase eleição do Ouriço para o parlamento da Nova Zelândia. Melhor ainda, foi a eleição da mula Boston Curtis para cargo público na cidade de Milton, nos EUA em 1938. No Rio de Janeiro, em 1988, os integrantes lançaram o chimpanzé Tião para a prefeitura da cidade, obtendo o terceiro lugar em votação. Houvesse, entre nós, a possibilidade real de uma revolução dos bichos, como escreveu George Orwell em 1945, em que criticava a União Soviética sob Stalin, não se sabe, ao certo se os animais saberiam conduzir os humanos com mais humanidade do que eles têm conduzido os animais até aqui. Mas, uma coisa é certa: animais como os asnos jamais diriam asneiras, capazes de envergonhar seus semelhantes.

» A frase que foi pronunciada

"A ignorância de um eleitor em uma democracia prejudica a segurança de todos."

John F. Kennedy

O outro lado

Em relação às colocações das Forças Armadas sobre as urnas ao TSE, o tribunal esclarece que "cabe destacar que são apenas pedidos de informações, para compreender o funcionamento do sistema eletrônico de votação, sem qualquer comentário ou juízo de valor sobre segurança ou vulnerabilidades. As declarações que têm sido veiculadas não correspondem aos fatos nem fazem qualquer sentido". Sendo assim, a população
aguarda as respostas.

Revisão, já

Vicente Limongi traduz as palavras dos moradores do DF. O valor do IPTU subiu de forma desigual aos salários. Deve ter havido algum erro no processamento de dados. Limongi protesta quanto ao valor pago: "Como pagador de impostos, não sou beneficiado em rigorosamente nada. A insegurança é brutal. Mesmo com alarme. O asfalto é remendado ou esburacado. A luz costuma falhar. Demora a voltar. As calçadas são sujas e quebradas. O matagal e a sujeira tomam conta dos lotes. O transporte público é tenebroso. A polícia não contém a barulheira das festas intermináveis. Quando chove, transbordam os bueiros da pista principal, alagando os gramados".

» História de Brasília

O pessoal da Cidade Livre que se mudou para a Asa Norte está vivendo momentos difíceis. A Prefeitura localizou as residências numa quadra que, posteriormente, foi vendida ao Exército.

(Publicada em 23/2/1962)

Tags

CONTINUE LENDO SOBRE