Mais depósitos em conta de Michelle

Correio Braziliense
postado em 08/08/2020 00:56

Extratos bancários do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz anexados à investigação sobre suposto esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Boslonaro, enquanto deputado estadual no Rio, revelam que o ex-PM depositou 21 cheques em nome da primeira-dama Michelle Bolsonaro. As movimentações datam de outubro de 2011 a dezembro de 2016, em valores de R$ 3 mil e R$ 4 mil que, somados, chegam a R$ 72 mil. O detalhamento dos depósitos de Queiroz em nome de Michelle foi revelado pela Revista Crusoé.
Em 2018, quando o caso Queiroz veio à tona, relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), anexado aos autos da Operação Furna da Onça, já havia citado um cheque de R$ 24 mil depositado pelo PM em favor da mulher do presidente Jair Bolsonaro.
Logo em seguida, o chefe do Executivo apresentou sua versão, dizendo que o valor seria referente a parcela do pagamento de um débito antigo de Queiroz com ele. Além disso, apontou que o montante depositado em favor de Michelle seria maior: R$ 40 mil.
Segundo a reportagem da Crusoé, nos extratos bancários de Queiroz, não há depósitos feitos por Bolsonaro na conta do ex-PM. A publicação diz, ainda, que entre 2007 e 2018 foram registrados créditos de R$ 6,2 milhões na conta do ex-assessor — R$ 1,6 milhão identificados como salários, R$ 2 milhões atrelados a depósitos do gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) e R$ 900 mil em espécie sem identificação.
Queiroz é apontado como suposto operador financeiro de esquema de rachadinha instalado no gabinete de Flávio à época em que era deputado estadual no Rio. O ex-PM foi preso preventivamente em junho, mas hoje está em domiciliar por ordem do ministro João Otávio de Noronha, presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ). A Procuradoria-Geral da República tenta restabelecer a prisão dele e da mulher, Márcia Oliveira de Aguiar. Até o fechamento desta edição, o Planalto não tinha se pronunciado sobre o assunto.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação