Ministro promove trocas no MEC

postado em 08/08/2020 07:00
 (foto: Isac Nóbrega/PR)
(foto: Isac Nóbrega/PR)

» Renata Rios

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, nomeou Izabel Lima Pessoa, servidora de carreira da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) para a Secretaria de Educação Básica. Ela vai substituir Ilona Becskehazy, cuja exoneração foi publicada no Diário Oficial da União de quinta-feira.
Becskehazy era apoiada pela ala ideológica do Ministério da Educação, e a troca tem sido vista com uma escolha técnica. Pelo Twitter, Milton Ribeiro agradeceu à ex-secretária. “Por oportuno, registro em nome do MEC gratidão à professora Ilona Becskehazy pelo seu trabalho nesses últimos 8 meses”, escreveu.
A publicação no DOU também mostrou a exoneração de Maria Fernanda Nogueira Bittencourt, então adjunta da Secretaria Executiva do MEC.
Também pelas redes sociais, o ministro postou, nos últimos dias, dois nomes que continuam no MEC. O primeiro é de Carlos Nadalim, à frente da Secretaria de Alfabetização, e o outro, Wagner Vilas Boas de Souza, secretário de Educação Superior.
O deputado federal Professor Israel Batista (PV-DF) disse ser cedo para avaliar o trabalho de Milton Ribeiro, que entrou no lugar de Abraham Weintraub. “Ainda não dá para falar nada, o que nós temos de novidade é a troca da Ilona Becskehazy pela Izabel Lima Pessoa. A Ilona tinha uma certa dificuldade de aceitação com os gestores estaduais e municipais”, afirmou. “Ela tinha uma característica interessante, muitos diziam que a Ilona representava o olavismo, mas os olavistas diziam que não, ou seja, ela estava sem pátria. Mas o principal ponto da Ilona era justamente a falta de relacionamento adequado com o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), com a União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime).”
De acordo com o parlamentar, é preciso esperar para ver se Izabel Pessoa terá autonomia para trabalhar. “Se ela vem da equipe técnica, o olavismo, com certeza, não gosta dela. Ela vai ter de fazer acordos e ter um jogo de cintura imenso para continuar ali”, alertou.
Israel Batista comentou a permanência de Nadalim na pasta. “O ministro Milton Ribeiro ainda não disse a que veio. Ele manteve, por exemplo, o Carlos Nadalim na Secretaria de Alfabetização. É um nome que garante a presença olavista no ministério”, frisou.
Edileuza Fernandes Silva, professora da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília, destacou a importância Secretaria de Educação Básica, até pela abrangência que tem, incluindo educação infantil, ensino fundamental e ensino médio. “Essa secretaria é central e tem uma importância grande na implementação de políticas públicas voltadas para esses níveis de ensino. E tem um papel muito relevante de estabelecer um diálogo com secretários de estados, municípios e do DF”, ressaltou. “Essa pessoa que assume uma Secretaria de Educação Básica ela tem esse papel, de ser uma pessoa aberta ao diálogo, que esteja disposta a dialogar e construir as alternativas necessárias.”

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação