Congresso e STF decretam luto por vítimas da covid-19

Nas redes sociais, presidente do Congresso, Davi Alcolumbre, declarou que este "é um dos dias mais tristes da nossa história recente" do Brasil

Correio Braziliense
postado em 08/08/2020 15:36 / atualizado em 08/08/2020 15:58
 (foto: AFP / MAURO PIMENTEL)
(foto: AFP / MAURO PIMENTEL)

O presidente do Congresso Nacional, Davi Alcolumbre (DEM-RJ), usou as redes sociais para anunciar que decretará luto de quatro dias em homenagem às vítimas da covid-19 no Brasil. O senador lamentou a marca de 100 mil óbitos registrados no país, que deve ser confirmada por números do Governo Federal no início da noite deste sábado (8/8).

“Hoje (8/08/2020) é um dos dias mais tristes da nossa história recente. O Brasil registra 100 mil vidas perdidas para a covid-19. O Congresso Nacional decreta luto oficial de 4 dias em solidariedade a todos os brasileiros afetados pela pandemia e às vítimas desta tragédia”, lamentou.

Rodrigo Maia (DEM/RJ), presidente da Câmara dos Deputados, também se solidarizou com as famílias das vítimas em seu perfil oficial. “Estamos convivendo diariamente com a pandemia, mas não podemos ficar anestesiados e tratar com naturalidade esses números. Cada vida é única e importa. Em nome da Câmara dos Deputados, presto mais uma vez solidariedade aos familiares e amigos das vítimas desta grande tragédia”, colocou.

Já o Supremo Tribunal Federal (STF) terá luto oficial de três dias. Em nota, o ministro Dias Toffoli declarou que “o Brasil chora”. “Somos uma nação enlutada, que sofre pela perda de familiares, amigos e pessoas do nosso convívio social. Jamais vivemos uma tragédia dessa dimensão em nosso país. São 100 mil pessoas que tinham um nome, uma profissão, projetos e sonhos. 100 mil vidas que certamente deixaram sua marca no mundo e na vida de outras pessoas. São filhas e filhos que não mais estarão com seus pais no dia especial de amanhã. São pais que não terão o que festejar neste domingo” , diz o texto.

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ainda não se manifestou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação