Bolsonaro: "Não vi no mundo quem enfrentou melhor a pandemia do que nós"

O presidente ainda caracterizou como excepcionais as ações ministeriais diante do novo coronavírus

Ingrid Soares
postado em 19/08/2020 20:55 / atualizado em 19/08/2020 21:13
 (foto: CAROLINA ANTUNES/AFP)
(foto: CAROLINA ANTUNES/AFP)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quarta-feira (19/08), "não ter visto no mundo" alguém que enfrentou melhor a pandemia de covid-19 do que o próprio governo brasileiro. A declaração ocorreu durante a assinatura de medidas provisórias de acesso ao crédito a micro e pequenos empresários. O presidente ainda caracterizou como excepcionais as ações ministeriais diante do novo coronavírus.

"No meu entender, guardando-se as devidas proporções, não vi no mundo quem enfrentou melhor essa questão do que o nosso governo. Isso nos orgulha. Mostra que tem gente capacitada e preocupada, em especial, com os mais pobres, os mais humildes", apontou.

Bolsonaro ainda voltou a criticar as medidas restritivas adotadas por governadores e prefeitos. Segundo ele, uma “quebradeira” na economia seria pior do que o próprio vírus, que já provocou 110 mil mortes no país.

“Temos dois problemas: o vírus e o desemprego. São dois assuntos que devemos tratar com responsabilidade, mas simultaneamente. A turma do 'fica em casa' e a turma do contra começou a dizer que eu era insensível e não estava preocupado com a vida das pessoas, e dizendo sempre ao Guedes que 'a economia se recupera, a vida não'. Olha, uma quebradeira na economia, não precisa ser médico nem economista pra dizer isso, as causas, o efeito colateral disso é pior, mas muito pior do que o próprio vírus."

O presidente completou: “Hoje em dia, já se começa a notar que o governo lá atrás estava no caminho certo, enquanto se fechava quase tudo no Brasil, nós aqui não paramos, em especial com a equipe econômica, trabalhando e buscando meios para que empregos não fossem destruídos e as propostas apresentadas por nós foram excepcionais”, disse.


Auxílio emergencial prorrogado

Bolsonaro afirmou durante a solenidade que o auxílio emergencial deverá ser prorrogado até o fim do ano. O valor, no entanto, será menor do que os R$ 600 já pagos e deve ficar entre R$ 250 e R$ 400.

O presidente justificou dizendo que o atual valor do auxílio custa aos cofres públicos mais de R$ 50 bilhões mensais. Em referência ao ministro Paulo Guedes, apontou que "alguém na equipe econômica" sugeriu R$ 200, quantia que Bolsonaro considera pouco, apesar de ter elencado o mesmo valor quando a medida foi aventada. Bolsonaro completou dizendo que é possível chegar a um “meio termo”.

“Estamos agora em fase final. Hoje, tomei café com o Rodrigo Maia no Alvorada e também tratamos desse assunto do auxílio emergencial. Os R$ 600 pesa muito para a União. Isso não é dinheiro do povo porque não está guardado, é endividamento e se o país endivida demais, acaba perdendo a credibilidade para o futuro. Então R$ 600 é muito, o Paulo Guedes fa…, alguém da economia falou em R$ 200, eu acho que é pouco. Mas dá pra chegar em um meio termo e nós buscarmos que seja prorrogado por mais alguns meses, talvez até o fim do ano”, concluiu.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação