ELEIÇÕES MUNICIPAIS

Deputados disputam espaço no Entorno pensando nas eleições de novembro

A região próxima do Distrito Federal movimenta-se para os pleitos, que ocorrerão em novembro. As 20 localidades não têm um partido dominante, mas parlamentares do PSDB, PSC e Podemos se articulam para emplacar candidatos

Luiz Calcagno
 Sarah Teófilo
postado em 23/08/2020 06:00 / atualizado em 23/08/2020 08:24
 (foto: Câmara dos Deputados/ reprodução )
(foto: Câmara dos Deputados/ reprodução )

O Entorno do Distrito Federal conta com mais de 1 milhão de habitantes e tem particularidades e problemas que se arrastam ao longo de décadas. A proximidade com o DF e a distância da capital goiana fizeram com que as cidades desenvolvessem mazelas sociais de forma diferenciada e mais acentuada do que no restante do estado. Trata-se, ainda, de um cinturão cobiçado por parlamentares federais que, à medida que as eleições municipais se aproximam, movimentam-se pelas 20 localidades, articulando candidatos.


Observando cidades da região, porém, não há um partido homogêneo. O PSDB tinha mais prefeitos (seis), mas perdeu três gestores: o prefeito de Águas Lindas de Goiás, Hildo do Candango, migrou para o PTB; Fabio Correia, da Cidade Ocidental, foi para o PP; e Pábio Mossoró, de Valparaíso de Goiás, para o MDB. Hoje, o PP é a legenda com mais gestores: tem quatro.


Três parlamentares que estão se articulado bastante na região são Célio Silveira (PSDB), Glaustin Fokus (PSC) e José Nelto (Podemos). Silveira, deputado federal pela segunda vez, tem longo histórico no Entorno. Por duas vezes, foi prefeito de Luziânia, cidade onde nasceu, e deputado estadual em Goiás, também por dois mandatos. Ele cita candidatos a prefeituras em 10 municípios, a maioria já com nome lançado à pré-candidatura.


O espaço, porém, é disputado por José Nelto. Ele está articulando nomes para concorrer com os indicados por Silveira. “Cada um tem de lutar pelo seu espaço, isso é democrático. Eu quero tomar o espaço deles, e eles querem segurar o espaço”, diz Nelto.


Silveira comenta a situação do PSDB, que tem enfrentado crises em Goiás e fora. “O partido passa por um momento de reconstrução. Teve baixas, mas ainda temos candidatos do PSDB, como a Sônia Chaves (prefeita do Novo Gama e pré-candidata à reeleição)”, afirma.


Sobre Nelto, o parlamentar diz: “Nasci na região. Se você falar meu nome em todo lugar, as pessoas sabem, tenho serviço prestado. O José Nelto está chegando de paraquedas. Eu tenho meu grupo, e ele busca se aproximar do outro para ver se consegue construir um grupo que consiga votos.”


Senador pelo DF, Izalci Lucas (PSDB) comenta justamente sobre essa redução do PSDB, citando quando o governador de Goiás era Marconi Perillo e a legenda tinha mais prefeituras. Agora, o estado é comandado por Ronaldo Caiado, do DEM, sigla que tem nomes no Entorno, como o deputado estadual Diego Sorgatto, que, inclusive, já foi do PSDB e deve se lançar para a Prefeitura de Luziânia. O município é comandado pela professora Edna Aparecida, do Podemos, depois que o então mandatário, Cristóvão Tormin, foi afastado após denúncias de importunação sexual. Nesse caso, por exemplo, José Nelto apoia a atual prefeita, enquanto Silveira fica do lado de Sorgatto.


Para o deputado federal Adriano do Baldy (PP-GO), a tendência é de que as candidaturas ganhem contornos mais claros a partir desta última semana de agosto. “A coisa começa a afunilar agora. As conversações dão o desenho, estão a todo vapor. Começaremos as convenções no dia 31.”


Baldy explica que o PP concorre na Cidade Ocidental com Fábio Correia, candidato à reeleição. No Novo Gama, a aposta, para o deputado, é a reeleição da prefeita, Sônia Chaves (PSDB). “Em Luziânia, estamos aguardando a convenção para definir o rumo do Progressista e, em Valparaíso, temos chapa completa de vereador e uma competição entre a deputada estadual Lêda Borges (PSDB), Pábio Mossoró (MDB) e Afrânio Pimentel, do Progressista”, elenca. Em Formosa, uma das maiores cidades da região, o prefeito Gustavo Marques (Podemos) já trabalha para se manter no cargo.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação