SÃO PAULO

Eduardo Bolsonaro ironiza candidatura de Joice e presidente do PSL rebate: ‘Ninguém chuta cachorro morto’

Filho do presidente Jair Bolsonaro falou em fracasso da parlamentar em sua candidatura a prefeita de SP. Bozzella afirma que partido não depende da figura de Bolsonaro para crescer

 Sarah Teófilo
postado em 30/08/2020 21:27 / atualizado em 31/08/2020 01:09

O presidente do PSL em São Paulo, deputado federal Júnior Bozzella, diz ter visto como positiva as críticas do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) à candidatura da parlamentar Joice Hasselmann à Prefeitura de SP. “Mostra que a candidatura do PSL é muito competitiva e preocupa a família Bolsonaro”, afirmou.


Neste domingo (30/8), o deputado Eduardo Bolsonaro, que já foi presidente do PSL em São Paulo, ironizou a candidatura de Joice em uma publicação no Twitter. Ela será confirmada pelo partido em convenção na próxima segunda-feira (31). “Só quero que saia candidata para ver em quem vai botar a culpa pelo seu fracasso”, escreveu.


Ao Correio, Bozzella ‘comemorou’ a crítica e rebateu: “Ninguém chuta cachorro morto”. De acordo com ele, se a candidatura dela não fosse preocupante, o deputado federal não estaria criticando.


O PSL irá lançar Joice à prefeitura em meio a um processo de reaproximação de Bolsonaro com o PSL. A parlamentar, no entanto, faz parte do grupo do PSL que rompeu com o presidente ainda no ano passado, e passou a se opor ao governo. No último dia 13, Bolsonaro falou em transmissão ao vivo que poderá voltar ao PSL, de onde saiu em novembro do ano passado. Na época, ele fundou o Aliança pelo Brasil, partido ainda em processo de formação. Até julho, a legenda havia conseguido apenas 3,2% das assinaturas necessárias.


Questionado sobre como fica a situação internamente, tendo em vista a relação de Bolsonaro com Joice, Bozzella refutou a ideia de que haverá algum problema.

 

“Quem falou em voltar ao PSL foi o presidente. Não foi o PSL que falou que queria que ele voltasse. A candidatura da Joice, assim como outras no país e em São Paulo, já estava pavimentada. Até porque o PSL não poderia ficar esperando o fracasso do Aliança, ou o não fracasso, para se organizar para 2020. A bola girou, as coisas andam. Eles abandonaram o PSL; eles falaram que não queriam mais o PSL."

 

De acordo com Bozzella, a legenda é independente, “tem luz própria, amor próprio, identidade”, e cresceu substancialmente depois da saída do presidente da República. “Partido mostrou que não depende de ter um ou outro expoente da política nacional agregado para sobreviver”, disse.

 

Conforme o deputado, a família Bolsonaro tentou destruir a imagem do PSL, mas não conseguiu. "Mesmo com o fogo amigo, a milícia digital, nós conseguimos pavimentar um caminho sólido para o PSL para 2020 e 2022", pontuou.

 

Quando a legenda estava se organizando para realizar as filiações até 4 de abril deste ano, Bozzella afirma que a “milícia digital estava com os canhões virados” para os deputados do PSL que já haviam rompido com o presidente. “Mesmo assim, conseguimos sair vitoriosos; mesmo com as ofensivas injustas, imorais, criminosas, que a milícia digital liderada pelo grupo bolsonarista fez”, disse.

 

Conforme Bozzella, o PSL irá avaliar quem são os melhores nomes para a disputa de 2022. Para o parlamentar, o partido não dependeu e nem depende da figura do presidente Jair Bolsonaro, uma vez que, segundo ele, a legenda cresceu após a saída do presidente. "Opções não irão faltar para 2022", afirmou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação