Governo

Bolsonaro prioriza obras inacabadas

Correio Braziliense
postado em 30/08/2020 22:16

O presidente Jair Bolsonaro publicou, ontem, no Twitter, que seu governo vai priorizar a conclusão de obras não terminadas de governos anteriores antes de iniciar novos projetos. “No nosso governo, antes de obras novas, queremos concluir obras inacabadas há 10, 20, 30, 40 anos”, afirmou.

A postagem compartilhou ainda o vídeo de uma declaração do ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, admitindo que o governo está, sim, inaugurando obras de governos anteriores.

“Sempre se questiona ou critica a falta de continuidade dos governos”, disse. “Terminamos obras de outros governos. Que bom”, afirmou o ministro sob alguns aplausos no vídeo em que participa de audiência da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados. “Não podemos reinventar o Brasil a cada quatro anos. Infraestrutura é uma questão de Estado, é uma questão de longo prazo”, afirmou Freitas no vídeo.

Segundo um levantamento publicado, ontem, pelo jornal Folha de S.Paulo, Bolsonaro prepara o lançamento de 33 ações para o próximo semestre, das quais 25 foram planejadas pelos ex-presidentes petistas Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva. Outras duas saíram do papel no governo Michel Temer (MDB) e seis foram iniciadas na atual gestão, levando em conta obras do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Witzel diz ter defesa cerceada
Em seu terceiro dia afastado do cargo de governador do estado do Rio por decisão do Superior Tribunal de Justiça, Wilson Witzel (PSC) usou o Twitter para atacar o ex-secretário Edmar Santos, alegar que é inocente e dizer que está trabalhando em sua defesa –– que, segundo ele, vem sendo “cerceada”. O governador foi afastado por suspeitas de desvios na Saúde em plena pandemia do novo coronavírus. “Estou sendo linchado politicamente por contrariar interesses poderosos. Não descansarei até demonstrar que fui enganado e provar minha inocência. “Ainda nem deu tempo para a defesa provar que o único ato praticado por mim em relação à (organização social) Unir contrariou interesses espúrios do delator, mas já fui punido com o afastamento do cargo. Tão logo soube das irregularidades, afastei os envolvidos”.

Doleiro de Everaldo é preso
Apontado como operador financeiro do pastor Everaldo, Victor Hugo Amaral Barroso foi preso, ontem, em Porto Alegre. O suposto doleiro foi um dos alvos da Operação Tris in Idem, que afastou Wilson Witzel do cargo de governador do Rio de Janeiro e prendeu sete pessoas. Entre os detidos na ação, está o Everaldo, presidente do PSC. Na decisão do ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), Victor é apontado como responsável por direcionar contratações supostamente irregulares. Ele também é acusado de distribuir vantagens indevidas, aproveitando-se do fato de ser o homem do dinheiro. “(Victor Hugo é) Operador financeiro do grupo liderado por pastor Everaldo, responsável por contabilidade paralela, por cooptação de agentes públicos e privados e por direcionar contratações, declarando endereço no exterior e constituindo várias offshores em nome de sua mãe e sua irmã, esta também envolvida”, diz a decisão do ministro.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação