Presidente da Funarte é exonerado e coronel do Exército assume pasta

Luciano Querido, ex-assessor de Carlos Bolsonaro, estava na pasta desde maio deste ano

Sarah Teófilo
postado em 14/09/2020 12:45 / atualizado em 14/09/2020 20:51

O governo federal exonerou nesta segunda-feira (14/9) o presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), Luciano da Silva Barbosa Querido, e nomeou em seu lugar o coronel do Exército Lamartine Barbosa Holanda. Querido já foi assessor do vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), filho do presidente Jair Bolsonaro, na Câmara dos Vereadores.

Ele foi nomeado ao cargo em junho, mas já estava na posição de forma interina desde maio deste ano, depois do secretário da Cultura, Mário Frias, assumir a pasta, em julho. O coronel Holanda tem atuação na área do audiovisual do Exército. Ele já foi, por exemplo, diretor e roteirista de vídeo institucional da Indústria de Material Bélico do Brasil (Imbel).

Em sua biografia, Holanda já foi editor de conteúdo da revista da Associação dos Comerciantes de Material de Construção do estado do Rio de Janeiro (Acomac-Rio), em 2013, e desempenhou a mesma função na Fundação Trompowsky, entre 2010 e 2014, além de ter sido editor de conteúdo e diretor na Câmara do Comércio do Mercosul e Américas, entre 2009 e 2012.

A Funarte, criada em 1975, é hoje vinculada ao Ministério do Turismo. A pasta é responsável pelas políticas públicas de estímulo à atividade artística no Brasil, com atribuição nas áreas de circo, dança, teatro, música, artes visuais e também a preservação da memória das artes e pesquisa.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação