Assembleia Geral

Observatório do Clima diz que discurso de Bolsonaro afugenta investidores

Presidente negou crise ambiental no país e minimizou as queimadas no Pantanal ao discursar na abertura da Assrmbleia-Geral das Nações Unidas

Sarah Teófilo
postado em 22/09/2020 12:43
 (crédito: TV SENADO)
(crédito: TV SENADO)

O presidente Jair Bolsonaro discursou nesta terça-feira (22/9) na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e já gerou diversas reações. O Observatório do Clima, rede formada em 2002 e composta por 50 organizações não governamentais e movimentos sociais, afirmou que as falas do presidente geram fuga de investidores do país.

“O presidente, mais uma vez, expôs o país de forma constrangedora e confirmou as preocupações dos investidores internacionais que pensam em sair do Brasil. Ao negar simultaneamente a crise ambiental e a pandemia, o presidente dá a trilha sonora para o desinvestimento e o cancelamento de acordos comerciais no momento crítico de recuperação econômica pós-covid”, ressaltou a coordenação do Observatório.

No discurso, Bolsonaro negou a crise ambiental no Brasil e minimizou as queimadas do Pantanal, bioma que sofre o pior cenário de fogo desde o início das medições do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), em 1988. Disse, ainda, que os incêndios na Amazônia “acontecem praticamente, nos mesmos lugares, no entorno leste da Floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas”.

Para o Observatório, as falas do presidente não foram voltadas à comunidade internacional, “mas sim à claque bolsonarista” “Não teve o objetivo real de prestar esclarecimentos sobre a situação do Brasil a parceiros comerciais e consumidores preocupados, muito menos de propor uma visão de país, como era a tradição, mas de combater a realidade e inventar inimigos imaginários. Bolsonaro usou a tribuna das Nações Unidas para fazer campanha à reeleição e não para promover o país.

“Ao arrasar a imagem internacional do Brasil, como está arrasando nossos biomas, Bolsonaro prova que seu patriotismo sempre foi de fachada”, diz Marcio Astrini, secretário-executivo do Observatório do Clima. “Acusou um conluio inexistente entre ONGs e potências estrangeiras contra o país, mas, ao negar a realidade e não apresentar nenhum plano para os problemas que enfrentamos, é Bolsonaro quem ameaça nossa economia. O Brasil pagará durante muito tempo a conta dessa irresponsabilidade. Temos um presidente que sabota o próprio país.”

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação