Mulheres na política

ONU: Brasil está longe do equilíbrio de gênero na política

Pesquisa que avalia participação feminina em cargos de poder público mostra que Brasil é o 9º entre 11 avaliados sobre paridade de gênero na política

Mariana Machado
postado em 24/09/2020 10:15 / atualizado em 25/09/2020 09:35
 (crédito: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados)
(crédito: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados)

Elas são diretoras, servidoras públicas, professoras, médicas, militares e o que mais quiserem. A luta para ocupar cargos de liderança faz com que as mulheres sigam conquistando posições importantes. Mas, na política, o Brasil vai mal quando o assunto é paridade de gênero.

Dados divulgados nesta quinta-feira (24/9) pela Onu Mulheres e Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) mostram o país em 9º lugar entre 11 nações da América Latina avaliadas pelo Atenea, mecanismo que promove a aceleração da participação feminina em cargos de poder.

O estudo avalia 40 indicadores, divididos em oito eixos: compromissos nacionais com a igualdade na constituição e marco legal; exercício do direito ao sufrágio; cotas e paridade política; Poder Executivo e administração pública; Poder Legislativo; Poder Judicial e instâncias eleitorais; partidos políticos; e governos locais.

Cada quesito recebe uma nota de 0 a 100. No caso do Brasil, as piores avaliações foram para os aspectos de cotas, Poder Judicial, e compromissos com a igualdade na Constituição. A legislação é considerada frágil, e a baixa presença de mulheres nas cortes enfraquece a agenda de paridade de gênero.

Diante dos resultados, a recomendação da Onu Mulheres e Pnud é de impulsionar ações que promovam o acesso de negras e indígenas ao poder político, bem como intensificar o controle público sobre partidos políticos, com ação de punição diante do descumprimento da legislação de cotas.

Maristela Baironi, coordenadora chefe do programa do Pnud no Brasil acredita que o estudo possa reverberar nas eleições municipais e pleitos futuros. “A gente quer continuar usando esse achado para trabalhar em prol de uma democracia mais paritária e participação feminina mais ativa”, afirma. “Não é só importante ser escutada, mas ocupar essas posições para ser donas do nosso destino.”

Promoção de campanhas

Letícia Medeiros, co-fundadora da organização não governamental #ElasNoPoder, destaca que há uma série de fatores que explicam a falta de mulheres na política. A OnG, criada em 2018, promove e incentiva campanhas de candidatas.

Uma pesquisa de perfil feita pela instituição concluiu que muitas não se identificam com o perfil. “Se hoje a gente identifica que há um perfil, isso é mais um problema do que diagnóstico. O ideal é que as instâncias de representação sejam diversificadas. A gente quer trazer essa reflexão e mudança na mentalidade das mulheres.”

Ranking do Índice de Paridade Política

1 - México: 66,2

2 - Bolívia: 64

3 - Peru: 60,1

4 - Colômbia: 54

5 - Argentina: 44,7

6 - Honduras: 42,7

7 - Guatemala: 42,6

8 - Uruguai: 41,7

9 - Brasil: 39,5

10 - Chile: 38,2

11 - Panamá: 37

Avaliação do Brasil pelo Atenea

  • Compromissos nacionais com a igualdade na constituição e marco legal: 20/100
  • Exercício do direito ao sufrágio: 80,3/100
  • Cotas e paridade política: 13,3/100
  • Poder Executivo e Administração Pública: 51,7/100
  • Poder Legislativo: 59,1/100
  • Poder Judicial e Instâncias Eleitorais: 21,7/100
  • Partidos políticos: 45,1/100
  • Governos locais: 25/100

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação