Meio ambiente

Bolsonaro ao agronegócio: "Nós não criamos dificuldades"

Para reforçar o apoio ao setor agrícola, Bolsonaro pediu a produtores que lembrassem como o ICMbio e o Ibama os tratavam "até pouco tempo atrás". Sem citar o nome de Emmanuel Macron, presidente da França, disse que o governo não cede a pressão externa

Ingrid Soares
postado em 16/10/2020 12:19 / atualizado em 16/10/2020 12:35
 (crédito: José Cruz/Agência Brasil)
(crédito: José Cruz/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na manhã desta sexta-feira (16/10) que é "benquisto" no agronegócio e que o Ministério do Meio Ambiente nada fará para atrapalhar o setor. “Quando falam que eu sou bem quisto pelo pessoal do campo, o pessoal do agronegócio. O nosso ministério, o do Meio ambiente é um ministério que não atrapalha a vida de vocês, muito pelo contrário, ajuda-os e muito”. A declarações ocorreu durante a inauguração de uma planta de biogás de uma usina da Raízen, em Guariba, São Paulo.


Para ressaltar que o governo veste a camisa do setor agrícola, Bolsonaro pediu que os presentes relembrassem como o Icmbio e o Ibama os tratou “até pouco tempo atrás”. “Relembrem como há pouco tempo o Icmbio e o Ibama tratavam vocês e como esse tratamento hoje em dia é dispensado. Nós não criamos dificuldades para vender facilidade”, reforçou.


O presidente também relembrou que o presidente da França, Emmanuel Macron, pediu que houvesse a ampliação de 12% para 20% da quantidade de áreas demarcadas como terras indígenas no país. Bolsonaro deixou claro que nenhuma área foi demarcada e que há projetos para exploração de terreno indígena, caso assim, os índios queiram.


“Eu lembro quando passei em Osaka (Japão) e tive um encontro com o presidente de um grande país da Europa que quase sempre está na vanguarda para nos criticar, ele queria que nós ampliaremos de 12% para 20% a quantidade de áreas demarcadas como terras indígenas em meu país. Nenhuma reserva foi demarcada até o momento e cada vez mais nós lutamos, como tem o projeto do Almirante Bento, de MME, para que o índio possa se essa for a sua vontade, explorar seu território da melhor maneira que seja-lhe útil.”


Bolsonaro emendou: “Acabou o tempo em que um chefe de Estado ia para fora e voltava para cá com um pacote de maldades, onde quem pagava a conta, era geralmente o homem do campo”.

 

Riquezas naturais

O presidente também exaltou as riquezas naturais brasileiras. "Nós temos o que os outros não têm. Além do povo maravilhoso, temos aqui biodiversidade, terras agricultáveis, recursos minerais, áreas maravilhosas para o turismo. Temos tudo para ser uma grande nação. E tenho certeza que, com o apoio de todos, nós atingiremos esse objetivo", destacou.

Por fim, Bolsonaro disse que “cada vez mais, acredita na palavra e no trabalho de Paulo Guedes” e que a economia brasileira tem se recuperado em “V”, como Guedes costuma dizer.

Após o evento, Bolsonaro seguiu para Porto Real (RJ). No sábado (17), deverá participar do Espadim, evento com entrega de uma réplica da espada de Duque de Caxias, patrono do Exército Brasileiro.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação