PODER

Operação da PF também encontrou pepita na casa do senador do dinheiro na cueca

Ação da PF na casa de Chico Rodrigues descobriu uma pedra de cor amarela, cuja suspeita é de que tenha fragmentos de ouro. Relatório também aponta o senador como chefe de um esquema de corrupção montado para desviar recursos do combate ao coronavírus

Renato Souza
postado em 23/10/2020 06:00
 (crédito: Jefferson Rudy/Agencia senado)
(crédito: Jefferson Rudy/Agencia senado)

Não foi só dinheiro na cueca e no cofre o que a Polícia Federal (PF) apreendeu na residência do senador Chico Rodrigues (DEM-RR). Na operação, os agentes também encontraram o que parece ser uma pepita de ouro. Após a ação na casa do senador, a polícia registrou, em seu termo de busca e apreensão, uma “pedra, supostamente caracterizada como pepita de ouro, encontrada no cofre do quarto do senador”.

No momento da operação, o senador não soube explicar ou comprovar a origem, tanto da pedra, quanto dos valores em sua residência. Por isso, tudo foi apreendido. Havia R$ 10 mil e US$ 6 mil no cofre, além dos R$ 33 mil escondidos nas vestes íntimas do senador. A soma resulta em R$ 70 mil, se convertidos os dólares à moeda brasileira na cotação do dia.

“Quanto aos valores, o senador não soube explicar ou comprovar sua origem; e, da mesma forma, a origem da pedra, supostamente uma pepita de ouro, razão pela qual todos os objetos foram apreendidos”, disse a PF no relatório da operação.

Chefe da corrupção

Em relatório enviado ao Supremo Tribunal Federal (STF), a PF afirma que o senador é o chefe de um esquema de corrupção montado para desviar recursos destinados ao combate à pandemia de coronavírus em Roraima. De acordo com a corporação, o parlamentar atuava como “gestor paralelo” da Secretaria de Saúde do estado. Entre os crimes apontados, está o de que ele cobrava o empenho de emendas parlamentares para empresas que participavam da organização.

Em um dos trechos do relatório, a PF afirma que o parlamentar questionou um responsável pela liberação do pagamento da compra de álcool em gel sobre os repasses para uma empresa. “Você adiantou o pgto da Gilce/18: serviços?”, teria escrito o parlamentar. Os investigadores alegam que “tudo indica que o senador estaria cobrando o pagamento da empresa Haiplan Construções Comércio e Serviços Ltda. tendo em vista que um dos sócios da empresa é Júlio Rodrigues Ferreira, marido de Gilce de Olliveira Pinto”.

Ainda de acordo com as diligências, o produto entregue é álcool 65%, que seria útil para a limpeza de móveis e objetos, mas não é eficiente para a esterilização de vírus, como é o caso do agente causador da covid-19. “A forma com que o senador cobrava o pagamento indica que o parlamentar estaria atendendo não apenas aos interesses do estado de Roraima, mas, também, aos seus próprios”, afirma o relatório da PF. O caso está com o ministro Luís Roberto Barroso, que, na quarta-feira passada, levantou o sigilo do processo.

Manuscritos

Além de bens e valores, a PF apreendeu um manuscrito contendo a descrição de um fluxograma relacionado à mudança do secretário de Saúde de Roraima, Francisco Monteiro, e a compra de respiradores, com valor de R$ 1.800.000”. A informação é relevante para a investigação em andamento no Supremo, uma vez que existe a suspeita de que a demissão do ex-secretário de Saúde do estado, Allan Garcês, em fevereiro deste ano, teria sido arquitetada, para promover ao posto titular o adjunto de Garcês, Francisco Monteiro Neto –– descrito no inquérito como alguém que dava apoio às demandas de Rodrigues, assim como o servidor da secretaria Francisvaldo de Melo Paixão.

As apreensões pela PF também incluíram “sete laudas descrevendo uma planilha de cotação de preço de medicações e 11 materiais médico hospitalares, localizadas sobre a mesa no escritório”, bem como “sete folhas de papel contendo relação de preço de materiais médico-hospitalares”. Os policias ficaram com um “caderno com timbre do Senado Federal, contendo várias anotações, dentre elas a destinação de valores a vários hospitais provenientes do fundo nacional de saúde, encontrados no quarto do senador”.

Em nota, a defesa do senador negou as acusações. “Todos os bens e valores do senador têm origem lícita, de forma que inexiste razão para a perseguição da qual ele é vítima”, garantem os advogados.

 

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação