PODER

Após atiçar militância radical, Salles é atacado por Maia e Alcolumbre

Depois de abrir uma crise com o general Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, e atiçar a militância radical, ministro do Meio Ambiente recebeu críticas dos presidentes da Câmara e do Senado. E não revidou

Sarah Teófilo
postado em 25/10/2020 07:00
 (crédito: ED ALVES)
(crédito: ED ALVES)

Os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), saíram, ontem, em defesa do ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, atacado, na quinta-feira, no Twitter, pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles –– que o chamou de “maria fofoca”. Também pela rede social, Maia não poupou agressividade: “O ministro Ricardo Salles, não satisfeito em destruir o meio ambiente do Brasil, agora resolveu destruir o próprio governo”, escreveu. Já o senador foi mais diplomático na crítica: “Sem entrar no mérito da questão, faço duas ressalvas. 1. Como chefe do Legislativo, registro a importância do @MinLuizRamos na relação institucional com o Congresso. 2. Não é saudável que um ministro ofenda publicamente outro ministro. Isto só apequena o governo e faz mal ao Brasil”, registrou.

Diante do contra-ataque, Salles optou pelo silêncio: “Para mim, este assunto está encerrado”, disse. A decisão de não alimentar o confronto segue a orientação dada pelo presidente Jair Bolsonaro, que não reprovou o ataque a Ramos e não tem interesse em prolongar a crise.

Maia já elogiou Ramos em ocasiões anteriores. O ministro, que é responsável pela articulação política com o Parlamento, tem o apoio de membros do Centrão, do qual o DEM dos presidentes das duas Casas do Congresso faz parte.

Não foi a primeira vez que Salles entrou em conflito com a ala fardada do governo. Em agosto passado, também por causa de recursos, anunciou que as ações de combate ao desmatamento e queimadas na Amazônia e no Pantanal seriam suspensas após o bloqueio de R$ 60,6 milhões do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). O vice-presidente Hamilton Mourão, presidente do Conselho da Amazônia Legal, chamou de “precipitado” o anúncio do ministro e o dinheiro terminou liberado. No começo da semana, Salles repetiu a manobra e, na mesma quinta-feira em que atacou Ramos, o Ministério do Desenvolvimento Regional se comprometeu a repassar R$ 30 milhões para o pagamento de contas em atraso das duas autarquias. Horas depois, as equipes de combate aos focos de incêndio na Amazônia, no Pantanal e no Cerrado voltaram à linha de frente.

Panos quentes
No Congresso, os líderes do governo já trabalham para dissipar a crise. O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR) disse não ter visto problema algum na situação. “É um assunto superado. O Salles tem o espaço dele no governo e o Ramos é muito elogiado. Não há risco à governabilidade e o Ramos está bem apoiado”, frisou.

Sobre a possibilidade de o barulho promovido pelos bolsonaristas radicais — que se juntaram ao ministro do Meio Ambiente nas críticas ao general, assim que o ataque foi disparado no Twitter — derrubarem Ramos como articulador do Palácio do Planalto no Congresso, ou mesmo da pasta que hoje ocupa, Barros refutou.

“A ala ideológica e Congresso não conversam. (A ala ideológica) não tem repercussão na articulação política”, afirmou. E ressaltou: “Não vejo esse perigo (de Ramos cair). Está tudo na mais absoluta tranquilidade”. O parlamentar ainda disse que a imprensa “quer criar problema onde não existe”.

Líder do governo no Congresso, o senador Eduardo Gomes (MDB-TO) afirmou que a crítica de Salles não irá gerar prejuízo a ninguém.

“O Ramos é da interlocução institucional com o Congresso. Não influencia em nada (a crítica). Ele está fortalecido na função dele, tem o reconhecimento de todos. A gente entende que é um mal-entendido que não deixará consequências para a gente”, salientou. O senador acrescentou que a situação “pegou mal, mas logo Salles e Ramos se encontram e se resolvem”.

Sobre um possível desgaste dos militares no governo — primeiro, causado pelo próprio presidente, que desautorizou o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, ao vetar a possível compra da vacina desenvolvida pela farmacêutica Sinovac e o Instituto Butantan; e, depois, com o ataque de Salles a Ramos —, Gomes garantiu que o presidente Bolsonaro “tem a condução e o ponto de equilíbrio”.

“Ele dá a diretriz de tudo. Ele tem o poder de ação de nomear e exonerar os ministros. Não há esse ponto de atrito (com os militares)”, garantiu.

“O ministro Ricardo Salles, não satisfeito em destruir o meio ambiente do Brasil, agora resolveu destruir o próprio governo”
Rodrigo Maia, em tuíte defendendo o general Ramos

 

Radicais querem retomar espaço

Nos últimos meses, os personagens radicais do governo perderam espaço, à medida que o Palácio do Planalto percebeu que, para ter governabilidade, precisaria conversar com alguns espectros políticos do Congresso, sobretudo com os partidos que compõem o Centrão. Os primeiros pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro começaram a ser protocolados — embasados, sobretudo, nos atos antidemocráticos dos quais participou e estimulou no começo do ano — e o discurso de ataque às instituições não ajudava na pacificação.

A primeira prova de mudança nas relações e de afastamento dos radicais foi a troca no posto de líder na Câmara, que deixou de ser do deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO) e passou para Ricardo Barros (PR), do PP — um dos caciques do Centrão. Outra mudança ruidosa: Bia Kicis (PSL-DF) perdeu a vice-liderança na Casa.

Luiz Eduardo Ramos há tempos desagrada os radicais. Foi o general quem costurou a proximidade com o Centrão. Não por acaso, ontem, recebeu o apoio de um dos cardeais do grupo no Congresso, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) –– padrinho da indicação do novo ministro do STF Kassio Marques ––, na queda de braço com Ricardo Salles. E, claro, o respaldo de Rodrio Maia e Davi Alcolumbre.

Os radicais apoiadores de Bolsonaro esperavam mais “atitude” — alguns pregam explicitamente o golpe, com fechamento do Supremo Tribunal Federal e do Congresso — dos militares. Salles, que no entrevero contou com o apoio dos filhos do presidente Carlos (vereador) e Eduardo (deputado federal) atiçou os radicais contra os fardados ao chamar Ramos de “maria fofoca”.

Os “apoiadores de raiz” de Bolsonaro já estavam em polvorosa desde que o presidente desautorizou o ministro da Saúde, o general Eduardo Pazuello, que assinou um protocolo de compra de 46 milhões de doses da vacina CoronaVac. Bolsonaro viu, no compromisso firmado, um ganho político para seu desafeto, o governador João Doria. Vinte e quatro horas depois, o presidente visitou Pazuello — que contraiu a covid-19 — e postou um vídeo nas redes sociais para mostrar que entre eles estava tudo bem. (ST)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação