Polícia

Senador Irajá Filho é acusado de estupro por modelo de São Paulo

Denúncia contra o parlamentar de Tocantins foi registrada na madrugada desta segunda-feira (23/11). Irajá (PSD), que é filho da também senadora Kátia Abreu (PP) nega as acusações

Wesley Oliveira
postado em 23/11/2020 16:32 / atualizado em 23/11/2020 20:25
 (crédito: Jane de Araújo/Senado)
(crédito: Jane de Araújo/Senado)

Uma modelo de 22 anos registrou um boletim de ocorrência na madrugada desta segunda-feira (23/11), em São Paulo, no qual acusa o senador Irajá Silvestre (PSD-TO) de estupro. O parlamentar é filho da também senadora Kátia Abreu (PP-TO).

De acordo com a CNN Brasil, a suposta vítima, que pediu para não ser identificada, teria conhecido Irajá durante um almoço com um grupo de amigas, no domingo (22), no Jockey Club. Ela diz que o acompanhou à casa noturna Café de La Musique com um outro amigo dele, foi dopada, perdeu a consciência e acordou em um flat, no Itaim Bibi, já sendo abusada pelo parlamentar.  

Segundo o boletim de ocorrência, a vítima teria acordado com o investigado em cima dela, a penetrando sem preservativo, e dizendo frases como: “agora, você é minha” e “estou apaixonado". Ela relatou à polícia que ficou com medo de apanhar e, por isso, não resistiu ao abuso, mas que pedia insistentemente para ir ao banheiro e tomar água, e que ele não deixava. Quando conseguiu ir ao banheiro, segundo ela conta, após dizer que estava passando mal, se trancou e começou a pedir socorro.

Câmeras de segurança

A vítima passou por exames em um hospital da capital paulista. A polícia já trabalha na busca por imagens de câmeras de segurança da casa noturna e do hotel. O quarto onde teria ocorrido o suposto crime foi preservado para exame pericial.

Versão do senador

Em nota, o senador afirmou que recebeu com "tristeza" a denúncia "caluniosa". Além disso, disse que se colocou à disposição das investigações. "Foi com surpresa, decepção, tristeza e indignação que tomei conhecimento do episódio infame, maldoso e traiçoeiro envolvendo a minha vida e minha dignidade".

"Ressalto que compareci espontaneamente à delegacia responsável pela apuração dos fatos e pedi para ser submetido, voluntariamente, a exame de corpo de delito e toxicológico, tudo para desmistificar o quanto aleivosamente alegado", completou o parlamentar.  

Café de La Musique

Em nota, o Café de La Musique de São Paulo afirmou que "repudia veementemente qualquer ato de violência, sobretudo contra a mulher. Após tomar ciência do ocorrido veiculado hoje (segunda-feira) está colaborando com as autoridades para que os fatos sejam esclarecidos".

 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE