Nas entrelinhas

"A transmissão do novo coronavírus no Brasil deu um salto: formou-se uma segunda onda, na qual 100 infectados contaminam outras 130 pessoas"

Luiz Carlos Azedo
postado em 25/11/2020 00:05

A grande travessia

 

Os brasileiros estão diante de uma grande travessia, como o jagunço Riobaldo no romance Grande Sertão: Veredas, de Guimarães Rosa: “Viver é muito perigoso... Porque aprender a viver é que é o viver mesmo... Travessia perigosa, mas é a da vida. Sertão que se alteia e abaixa...”. Essa forma de encarar a vida faz parte do nosso inconsciente coletivo, principalmente em razão da secular iniquidade social em que vive a maioria da população, ou seja, está entranhada na camada mais profunda e inata do nosso inconsciente social. Grande Sertão: Veredas foi publicado em 1956, sem capítulos e com mais de 600 páginas. Guimarães Rosa fundiu o experimentalismo linguístico e a temática regionalista do movimento modernista numa obra universal e, ao mesmo tempo, capaz de capturar a alma dos caboclos mineiros, no relato de Riobaldo sobre suas lutas, seus medos e o amor reprimido por Diadorim.

A analogia faz todo sentido. É mais ou menos o que acontece nesta pandemia, que está entrando numa segunda onda, com a maioria da população se arriscando, estoicamente, para manter algum nível de atividade econômica e renda, enquanto outra parcela está se expondo sem necessidade alguma, por pura irresponsabilidade e/ou negacionismo. A taxa de transmissão do novo coronavírus no Brasil deu um salto, chegando a 1,30 na última semana epidemiológica, o que equivale aos índices de maio passado, segundo o Imperial College de Londres. Isso significa que se formou uma segunda onda, na qual 100 infectados contaminam outras 130 pessoas. Como a pandemia estava em baixa, mas não havia acabado, essa segunda onda começa de um patamar muito elevado. O resultado imediato são enfermarias dos hospitais começando a ficar lotadas, na maioria das cidades.

A situação é agravada pelo fato de o presidente da República, Jair Bolsonaro, ser um negacionista, que paralisa as ações do Ministério da Saúde nas três esferas em que deveria atuar: a prevenção (é contra o isolamento social), o diagnóstico (seis milhões de testes estão se deteriorando nos estoques do governo) e o tratamento (é responsável por apenas 5% dos leitos). Mesmo as vacinas que estão em fase final de testes, não têm ainda um planejamento adequado para a compra do medicamento e a vacinação em massa da população.

Não fosse o Sistema Único de Saúde (SUS), sob comando de prefeitos e governadores, a situação seria muito pior. Entretanto, temos um presidente da República que responsabiliza-os pelos graves prejuízos causados pela pandemia, em vez de agradecer o esforço que fazem para proteger a população. A última de Bolsonaro foi afirmar que os testes de coronavírus que estão se deteriorando nos estoques do governo federal haviam sido distribuídos para os estados e municípios, o que não ocorreu.

Ontem, o ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), votou para que, num prazo de 30 dias, o Ministério da Saúde apresente um plano de vacinação em massa da população. É uma missão complicada para o ministro Eduardo Pazuello, em razão das idiossincrasias do presidente Jair Bolsonaro, que transformou a aquisição de vacinas numa guerra política, embora o Brasil tenha parcerias para a futura produção de três vacinas:

A ChAdOx1, desenvolvida pela AstraZeneca/Oxford, que será produzida em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz, com investimentos previsto de R$ 1,9 bilhão na produção de 100 milhões de doses.

A CoronaVac, da farmacêutica chinesa Sinovac, que será adquirida pelo governo de São Paulo e produzida pelo Instituto Butantan, com chegada de 120 mil doses para uso imediato, mas que depende de autorização da Anvisa.

E a Sputinik V, do Instituto Gamaleya, da Rússia, que está sendo adquirida pelo governo do Paraná.

Diante da segunda onda, com as finanças do governo exauridas e o sistema de saúde pública sob forte pressão, já passou da hora de o presidente Jair Bolsonaro baixar a bola e deixar que os sanitaristas façam seu trabalho. “Uma coisa é pôr ideias arranjadas, outra é lidar com país de pessoas”, diria o Riobaldo. “Tem horas em que penso que a gente carecia, de repente, de acordar de alguma espécie de encanto.” Tudo que a população deseja é acordar do pesadelo e tomar uma vacina eficaz contra o vírus.

 

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE