Brasília-DF

Denise Rothenburg
postado em 25/11/2020 00:18
 (crédito: .)
(crédito: .)

O ministério das "entregas" e do desgaste

O ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, ganha fama no governo como aquele que mais terá o que entregar ao presidente Jair Bolsonaro em 2021. Em sua lista, estão privatização de portos, inclusive o de Santos, e 22 aeroportos, além de rodovias e ferrovias a serem inauguradas. É de lá que o Planalto espera tirar o balanço positivo das obras e a alavanca para a campanha reeleitoral de 2022.
A esperança dos aliados do presidente é de que essas obras e serviços ajudem a compensar os problemas de gestão que o país apresenta em várias frentes, em especial, a saúde. Afinal, a covid-19 continua avançando e, embora haja esperança de vacinas para 2021, ainda não há plano estratégico preparado para imunização em massa, quando os cientistas derem sinal verde. Se esse plano não estiver pronto para aqueles que desejarem a vacina, será mais um trunfo nas mãos da oposição quando chegar 2022.

 

Prioridade zero
O governo já fez as contas para esta reta final de 2020 e fez chegar aos líderes que não dá para deixar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para o ano que vem. A aprovação do texto é fundamental para deixar claro ao mercado que o Brasil não abrirá mão da responsabilidade fiscal, do teto de gastos, nem do ajuste nas contas.

 

"A Câmara já teve muitas polarizações, mas o espírito público precisa prevalecer e estar acima das disputas intestinas”

Do ex-deputado Danilo Forte (PSDB-CE), que assumirá o mandato em dezembro, quando o deputado Roberto Pessoa sai, a fim de preparar para a posse como prefeito de Maracanaú (CE). Forte se referia à disputa pela Presidência da Câmara e da Comissão Mista de Orçamento, que, praticamente, paralisaram os trabalhos no Congresso.

 


Continhas
Senadores fizeram os cálculos e acreditam que o partido em que Jair Bolsonaro se filiar deve levar algo entre 30 e 40 deputados. O problema, porém, é o presidente encontrar uma legenda disposta a lhe conceder controle total sobre tudo, inclusive coligações para governos estaduais.

 

Por falar em filiação de Bolsonaro…
No PTB, está tudo pronto para receber o presidente, mas tem apenas um detalhe: a bancada resiste, porque não quer ficar refém das imposições daqueles conhecidos como “bolsonaristas-raiz”.

 


Curtidas

Olho nelas/ As três capitais que mais chamam a atenção, neste segundo turno, são Porto Alegre, Recife e São Paulo. É que, ali, mesmo os perdedores sairão ganhando. Explica-se: quem perder será o puxador de votos em 2022, um pleito sem coligações proporcionais.

Rio de Janeiro, outros quinhentos/ Na cidade cartão-postal do Brasil, os políticos não estão muito interessados em acompanhar a eleição tão de perto. Acreditam que Eduardo Paes vencerá Marcelo Crivella.

Covid na política/ Pelo menos, dois senadores, Luiz Carlos Heinze e Kátia Abreu, estão internados por causa da covid, assim como o deputado Fábio Trad. Nesse ritmo, avisam os mais antenados, sessões presenciais, só com a vacina.

Apoio no Jaburu/ Os deputados do Cidadania, Paula Belmonte (DF) e Alex Manente (SP), autor da proposta de emenda constitucional que prevê a prisão a partir da condenação em segunda instância, foram ao vice-presidente Hamilton Mourão pedir apoio (foto) para a aprovação da matéria. “O vice-presidente já havia declarado publicamente apoio à PEC e reafirmou seu posicionamento. Ele foi muito receptivo”, disse a deputada. “Não podemos seguir postergando prisões até a quarta instância e promovendo a impunidade no país”, completou.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE