ELEIÇÕES 2020

Análise das eleições municipais: a hora do centro e do pragmatismo

DEM, PSDB e MDB saem fortalecidos e, se souberem jogar juntos, serão uma opção ao bolsonarismo mais à frente

Denise Rothenburg
postado em 30/11/2020 06:00
 (crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)
(crédito: Ed Alves/CB/D.A Press)

As eleições municipais deixam claro que as placas tectônicas já se moveram de 2018 para cá, em várias frentes, do discurso aos partidos. O PT e o bolsonarismo deram lugar ao pragmatismo do eleitor, onde as redes sociais também ficaram em segundo plano. No discurso, a "nova política" lá de 2018 também caiu em desuso, o que vale é a política (sem adjetivos) e a gestão.

Nessa nova configuração, DEM, PSDB e MDB saem fortalecidos e, se souberem jogar juntos, serão uma opção ao bolsonarismo mais à frente. Na esquerda, o PSol, de Guilherme Boulos, o PDT, de Ciro Gomes e o PSB, que ainda não tem um nome forte para apresentar como promessa para 2002, saem em vantagem sobre o PT de Lula e de Fernando Haddad. Afinal, esses partidos conquistaram boas vitrines nessa eleição e o PT, não levou qualquer prefeitura de capital e está pior do que em 2016, quando tinha a de Rio Branco (AC).

E, vale lembrar, o PT até hoje jamais abriu mão da cabeça de chapa numa campanha presidencial e ninguém acredita que abrirá mais à frente. O difícil será angariar um grande leque de aliados. Ciro Gomes fez questão de ir a Recife ajudar na campanha de João Campos, e jogará para atrair o PSB de Campos a apoiar o candidato do PDT a presidente em 2022.

No Centro, destaque para o governador de São Paulo, João Doria, que, ao discursar ao lado do prefeito reeleito, Bruno Covas, disse que, ali, não tinha "negacionista" e que daqui para frente é hora de cuidar da vacinação, tema em que ele e o presidente Jair Bolsonaro têm atuado em campos opostos, a ponto de o presidente comemorar nas redes sociais quando houve a suspensão dos testes da Coronavac por alguns dias.

Todos esses movimentos agora servirão de base para 2022. O presidente Jair Bolsonaro tem o desafio de mostrar serviço em 2021, um ano complicado, no qual o primeiro acorde político será a disputa para a presidência da Câmara, até aqui tão desafinada quanto a economia. Embora Bolsonaro tenha ficado praticamente fora dessa temporada eleitoral de 2020, precisará vencer bem as próximas etapas de 2021 para chegar inteiro a 2022. Afinal, se o eleitor estiver bem pragmático como agora, ele terá chance. O discurso do outsider, conforme mostrou essa eleição, ficou para trás.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE