MEIO AMBIENTE

Bolsonaro diz que Brasil quer cooperar na preservação da Amazônia

Também presente na live do presidente, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles afirmou que muitas das nações que criticam o Brasil, "podem pôr a mão no bolso e colocar recursos para ajudar"

Ingrid Soares
postado em 03/12/2020 22:11 / atualizado em 03/12/2020 22:21
Bolsonaro e Salles: Brasil deve ter a soberania respeitada   -
Bolsonaro e Salles: Brasil deve ter a soberania respeitada -

O presidente Jair Bolsonaro afirmou em live na noite desta quinta-feira (3/12) que quer cooperar com outros países para preservação da Amazônia e voltou a dizer que o Brasil é o que mais preserva área verde.

“A Amazônia é nossa. Há interesse nosso em preservar a Amazônia. Tem países que nos criticam. Nós dizemos a esses países que nós queremos cooperar. Queremos preservar, como o Brasil é o país que mais preserva o meio ambiente. E nós vamos ter no ano que vem a COP-24 [na verdade, é COP-26, a 26ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas], no Reino Unido”, apontou.

Também presente na live, o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, destacou que o país está aberto a trabalhar com outras nações, desde que as mesmas respeitem a soberania do país. Segundo ele, não adianta só criticar: “Tem que vir recurso também”.

“Nós estamos abertos à cooperação com todos os países, que respeitam, por sua vez, a soberania brasileira. Essa cooperação tem que ser sempre em termos concretos, quer dizer, a gente até discute, ouve discursos e tal, mas tem que ter recursos em cima da mesa. Quer dizer, a pessoa vir aqui, o grupo, países, enfim, iniciativas, colocar recursos para nos ajudar. Só crítica de graça não adianta, tem que vir recurso também”, alfinetou.

Boa relação

Sobre a COP-26, Salles disse que o Brasil possui boa relação com a Inglaterra, anfitriã do evento.
“A COP 26, que o senhor falou, vai ser na Inglaterra, um país parceiro nosso. Tem muito investimento aqui, é um país que o senhor sempre destaca a parceria que tem com eles, e eu tenho certeza que no ano que vem lá em Glasgow, nós vamos conseguir fazer um grande trabalho aí para avançar inclusive nos recursos para cuidar do meio ambiente. A turma que está dizendo que está disposta a colocar recursos, está aí a oportunidade”, completou.

Por fim, Salles alegou que o desmatamento deste ano está "mais ou menos no patamar do ano de 2008, portanto bem abaixo do que foi 2004 e 2005".

"Isso não quer dizer que nós estejamos contentes com isso. Mas tem que trazer prosperidade para a região. E muitos dos que nos criticam podem por a mão no bolso e colocar recursos para ajudar. Dar palpite de graça é fácil, agora colocar dinheiro em cima da mesa, em valores compatíveis com a magnitude do problema, é outra história", concluiu.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE