GOVERNO

Bolsonaro: Brasil chegou a uma situação de "quase normalidade" em 2020

Com mais de 180 mil mortos, país se aproxima de uma segunda onda da pandemia, mas o presidente opina que o pior já passou. Ele agradeceu aos ministros, que foram "iluminados" e ajudaram a dar esperança a 200 milhões de brasileiros

Augusto Fernandes
postado em 16/12/2020 18:28
 (crédito: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)
(crédito: Fábio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

O presidente Jair Bolsonaro declarou na tarde desta quinta-feira (16/12) que o Brasil está prestes a superar os efeitos da pandemia do novo coronavírus, apesar de os números da covid-19 terem voltado a crescer nas últimas semanas. Ele opinou que, depois de meses difíceis, o país está perto de “uma situação de quase normalidade”.

“Quem esperava, depois de meses difíceis, chegarmos a uma situação de quase normalidade ainda em 2020. A quem devemos tudo isso? Em primeiro lugar, a ele (Deus). E, depois, a vocês que estão aqui. Aí, os ministros incluídos, que trabalharam incessantemente. Foram iluminados e conseguiram com suas ações, usando para o bem a máquina do Estado, para fortalecer e dar esperança a mais de 200 milhões de pessoas”, disse o presidente.

O balanço mais recente do Ministério da Saúde, divulgado na terça-feira (15/12), mostrou que 964 pessoas morreram em decorrência da covid-19 em um intervalo de 24 horas. O país não atingia essa marca de atualização diária desde 30 de setembro, quando registrou 1.031 óbitos. Além disso, a pasta confirmou mais 42.889 novas infecções pelo novo coronavírus.

Ação de Graças

O comentário de Bolsonaro aconteceu durante uma solenidade de Ação de Graças, no Palácio do Planalto. O evento teve a presença de bispos e grupos musicais evangélicos. Alguns dos convidados fizeram orações aos presentes, como o ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, que é pastor.

Na cerimônia, Bolsonaro agradeceu a Deus por dois acontecimentos que classificou como milagres: a sua sobrevivência ao atentado que sofreu em setembro de 2018, durante campanha para a Presidência da República, e a sua eleição ao Palácio do Planalto, também naquele ano. O mandatário disse ter sido escolhido por Deus para comandar o Brasil.

“Todos nós sabemos das dificuldades que enfrentamos e onde nos escoramos para vencê-las. Eu, particularmente, agradeço pelo 6 de setembro de 2018. Uma outra vida. Se enxerga o mundo de maneira diferente. Outros já passaram por uma situação como essa. Mas só uma coisa nos mantém vivos. É a fé. Outro que eu considero que um milagre também. Os últimos dias de outubro de 2018. Entendo que recebi uma missão. Pelas circunstâncias, um outro milagre. E nós sabemos que a cruz que nós recebemos ela tem um peso que, graças a ele e por vontade dele, a podemos suportar”, comentou.

Bolsonaro também considerou a cerimônia desta quarta como um milagre. “Olhem para esse prédio. Quem diria um dia estarmos aqui unidos em nome da fé, onde todas as religiões presentes se comunicam, se irmanam e se respeitam. Não existe coisa mais bela do que isso. O Brasil é realmente um país abençoado”, destacou.

Por fim, o presidente afirmou que, hoje, o Brasil tem um presidente que “acredita em Deus, respeita os seus militares e deve lealdade ao seu povo”. “Somos privilegiados. Aqui, nestas poucas centenas, o privilégio de poder com seu trabalho, do mais humilde que seja ao mais complicado, poder servir a tua pátria de forma bastante ampla. Obrigado a Deus pela família. A família é a base da sociedade. A célula está para o corpo, assim como a família para a sociedade.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE