PANDEMIA

Pazuello recebe críticas por falhas no plano de vacinação

Ex-ministro Mandetta parabeniza Instituto Butantan e, em tom de ironia, diz ter receio de que a "logística" possa atrapalhar a vacina. Parlamentares cobram mais esclarecimentos do governo federal e recomendam seriedade no processo de imunização

Rosana Hessel
postado em 07/01/2021 20:35
 (crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

Defensor de medidas de confinamento social para a contenção da curva de contágios da covid-19, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta comemorou o índice de eficácia da CoronaVac e alfinetou o atual responsável pela pasta, Eduardo Pazuello. O general afirmou, nesta quinta-feira, que o governo federal concluiu a compra da vacina chinesa desenvolvida em parceria com o Instituto Butantan, do governo do estado de São Paulo. Pazuello, entretanto, não apresentou um plano claro de vacinação no país contra a pandemia que já matou 200 mil brasileiros.

Nesta quinta-feira (07/01), o Instituto Butantan, presidido por Dimas Covas, divulgou eficácia de 78% da CoronaVac nos testes realizados no país. O percentual mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de 50%. 

Mandetta aproveitou para elogiar o instituto e ironizar Pazuello, general que foi escolhido para a pasta por ser um especialista em logística.  "Parabéns equipe do Butantã, meu caro Dimas Covas. Ciência. Foco. Disciplina. Agora é ver se a 'logística' não vai atrapalhar", escreveu Mandetta.

Em entrevista coletiva, realizada hoje, Pazuello, procurou detalhar as ações do governo para o início do programa de vacinação. Ele ainda anunciou que a pasta encomendou 100 milhões de unidades da CoronaVac.

Negacionismo

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva também criticou o chefe da Saúde do presidente Jair Bolsonaro. "O ministro Pazuello foi em rede nacional e não apresentou uma diretriz ou data para a campanha de vacinação contra o covid", escreveu o petista e em seu perfil do Twitter. Segundo ele, o ministro da Saúde "passou vergonha" por não apresentar uma campanha de vacinação clara.

O líder do Cidadania do Senado, senador Alessandro Vieira (SE), também elogiou a eficácia do Instituto Butantan e criticou o negacionismo. "No mesmo dia em que atingimos o número de 200 mil mortos pela covid, temos a boa notícia da confirmação da eficácia da vacina do Butantã. Isso significa que será possível avançar no processo de vacinação com a produção nacional. A ciência salva vidas que a ignorância despreza", destacou.

A vice-líder do PSOL na Câmara, deputada Fernanda Melchionna (RS), lembrou que o ministro Pazuello ainda vai ter que provar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) se está falando a verdade sobre o estoque de seringas e agulhas. "Pazuello acaba de dizer que não há falta de seringas no Brasil. Então vai ter que comprovar! O STF acaba de dar cinco dias para o governo Bolsonaro comprovar que há estoques de seringas e agulhas suficientes para vacinação contra a Covid-19. Há uma corrida contra o tempo para salvar vidas!", destacou ela, em referência à decisão do ministro Ricardo Lewandowski. Caso não tenha os insumos, o governo deverá apresentar plano de compra em 48 horas.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, também usou as redes sociais para demonstrar esperança que o plano ainda não muito claro de Pazuello seja eficaz. "Que a vacina e uma condução séria e responsável, como o governador @jdoriajr (João Doria) vem fazendo, evitem a morte de mais brasileiros", escreveu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE