PRESSÃO

Entidades cobram por uma Polícia Federal focada na corporação

Escolha por Paulo Maiurino, com perfil mais político do que técnico, para diretor, faz entidades apelarem por uma atuação dele desvinculada do governo e focada na instituição

Luiz Calcagno
Sarah Teófilo
postado em 08/04/2021 06:00
 (crédito: Reprodução/LinkedIn)
(crédito: Reprodução/LinkedIn)

O perfil mais político do novo diretor-geral da Polícia Federal, Paulo Maiurino, virou alvo de críticas na corporação, mas foi comemorado pela Bancada da Bala no Congresso. Os parlamentares ligados à área da segurança pública também aprovaram a escolha do novo ministro da Justiça, Anderson Torres, e destacam que a trajetória política de ambos é um bom sinal de aproximação do Executivo com o Congresso, em especial a área da segurança pública, que se sente relegada pelo governo que ajudou a eleger.

Paulo Maiurino já ocupou cargos de caráter político — diferentemente do seu antecessor, Rolando de Souza, cujo perfil é mais técnico —, o que causou certo desconforto na corporação. Ele ficou afastado da instituição exercendo funções de assessor nas secretarias de Segurança Pública de São Paulo, do Rio de Janeiro e do Distrito Federal. Também foi secretário de Esportes do estado de São Paulo, na gestão Geraldo Alckmin, e secretário de segurança do Supremo Tribunal Federal (STF), no ano passado.

As ligações políticas de Maiurino fizeram com que entidades policiais emitissem notas pedindo independência dele à frente da PF. A Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) e a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (Fenadepol) divulgaram comunicado conjunto no qual afirmaram que a corporação foi abandonada pelo governo de Jair Bolsonaro. No texto, destacaram que se colocam “à disposição para ajudar a proteger e fortalecer a PF”.

O presidente da ADPF, Edvandir Paiva, ressaltou, em entrevista ao programa CB.Poder — parceria entre o Correio e a TV Brasília — que os integrantes da instituição buscam um novo modelo de gestão, em que a PF não sofra tanto com crises no governo (leia abaixo os principais trechos). Por sua vez, a Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) propôs uma reunião com Maiurino para reforçar pontos essenciais. Entre os quais, reforçar que a PF “é polícia de Estado, não de governo”.

Já o presidente do Sindicato dos Policiais Federais no Distrito Federal, Egídio Araújo pediu tempo para que o diretor apresente serviço. “Ele é policial federal, e o que se espera é que exerça sua liderança, dando ênfase ao tecnicismo que os trabalhos da PF exigem. Se vai ser mais político do que policial, preferimos aguardar. É fato que o trabalho policial não deve se pautar pela política”, ponderou.

Parlamento

Na Câmara, o coordenador da Frente Parlamentar da Segurança Pública, Capitão Augusto (PL-SP) elogiou as escolhas de Torres e de Maiurino e ressaltou que ambos têm histórico de “relacionamento político”. O novo ministro já foi chefe de gabinete do ex-deputado federal Fernando Francischini (PSL-PR) e é benquisto pela Bancada da Bala. “O que está faltando do Executivo para o Legislativo é o diálogo. Com os dois, vai melhorar bastante o diálogo com o Congresso, e é o que nós estávamos precisando”, destacou Capitão Augusto.

Integrante da Frente e agente da PF, o deputado Aluísio Mendes (PSC-MA) frisou que o novo diretor da corporação é uma pessoa com experiência, ainda que esteja afastado da função policial há um certo tempo.

A Bancada da Bala vai preparar reivindicações para levar ao novo ministro. Capitão Augusto enviou, ontem, ofícios a entidades representativas da PF, da Polícia Rodoviária Federal, da Polícia Militar, Polícia Civil e de agentes penitenciários para que apresentem três pautas prioritárias, a serem levadas a Torres em reunião na próxima semana.

Duas das pautas mais importantes para servidores da área, como disse o deputado, são a proteção das carreiras dos policiais na reforma administrativa e dispositivos que os atingiram na proposta de emenda à Constituição já aprovada. “O pessoal quer restituir o que perdemos no governo Bolsonaro”, enfatizou.

Abin nega ter ajudado Flávio

O diretor-geral da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, e o Gabinete de Segurança Institucional (GSI) negaram a produção de relatórios para orientar a defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), no caso das rachadinhas na Assembleia Legislativa do Rio. Informações sobre os relatórios foram divulgadas, em 2020, pela revista Época. Em nota, ontem, o GSI, disse que sindicância da Abin concluiu haver indícios de atuação de servidor, “que falseou a verdade e repassou informações à imprensa”. Em vídeo, Ramagem afirmou que houve vazamento “para dar suporte básico de veracidade à construção” das “mentiras da imprensa”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE