Brasília-DF

Correio Braziliense
postado em 30/04/2021 22:51

Nelson Teich, a chave do descaso do governo com as vacinas há um ano

Ninguém está muito atento à exposição que o ex-ministro Nelson Teich fará, na próxima terça-feira, à CPI da Covid. Porém é dali que alguns senadores esperam retirar informações preciosas para a investigação. Teich saiu por discordar da forma como o presidente Jair Bolsonaro desejava conduzir o combate ao coronavírus. Foi em sua gestão, inclusive, que houve os primeiros contatos com laboratórios para a produção de vacinas.


Em uma de suas várias entrevistas enquanto ministro, ele chegou a dizer: “A gente está conversando com possíveis laboratórios que vão produzir vacina para conseguir garantir, caso surja uma vacina, que o Brasil tenha uma parte”. Tudo isso já está no radar da CPI para esta terça-feira.

Primeira baixa

Diretor da Agência Nacional de Transportes Terrestres, Weber Ciloni deixa o cargo um ano antes do término do mandato. O diretor havia sido indicado ainda no governo Michel Temer pelo presidente do MDB, Baleia Rossi. A saída nesses primeiros dias da CPI da Covid e das investidas do partido contra o governo não é mera coincidência.

Novas baixas

Os emedebistas, aliás, já estão de olho no Diário Oficial da União. Afinal, depois da perseguição dos aliados de Baleia Rossi na campanha para presidência da Câmara, o mesmo se dará com aqueles que agora partirem para cima do governo na CPI da Covid.

Parlamento Europeu lamenta politização

Texto aprovado esta semana pelo Parlamento Europeu reitera a profunda preocupação com o impacto devastador da crise sanitária nos continentes europeu e latino-americano e pede reforço à cooperação entre as duas regiões. De quebra, “lamenta que a pandemia tenha sido fortemente politizada, inclusive através da retórica negacionista ou da minimização da gravidade da situação por parte dos chefes de Estado e de governo, e exorta os líderes políticos a agirem de forma responsável, a fim de evitar novos agravamentos da situação”.

Punição a campanhas de desinformação

O Parlamento Europeu diz, ainda, que “considera preocupantes as campanhas de desinformação relacionadas com a pandemia e insta as autoridades a identificar e perseguir judicialmente entidades que realizam tais ações”.

A pá de cal na “nova política”

Assim, muitos parlamentares se referem ao impeachment de Wilson Witzel no Rio de Janeiro. Ele era uma das principais apostas do grupo que elegeu Jair Bolsonaro, e deu no que deu. Agora, será preciso encontrar um novo mote para a campanha de reeleição do presidente

Triunvirato/ Que ninguém espere sub-relatorias no início da CPI da Covid, conforme sugerido pelo senador Izalci Lucas (PSDB-DF). A ordem é manter o comando da comissão restrito ao presidente, Omar Aziz; ao vice, Randolfe Rodrigues; e ao relator,
Renan Calheiros.

Pazuello, a dúvida/ Senadores consideram que o ex-ministro Eduardo Pazuello não terá tanto sangue-frio quando confrontado com as várias entrevistas que concedeu dentro do “um manda, outro obedece”. Se ele reagiu mal quando perguntado por que estava sem máscara no shopping em Manaus (foto), caso
fique muito emparedado na CPI,
não será diferente.

Sarney, a esfinge/ Desde que deixou o governo, em 1990, José Sarney foi procurado por quase todos os ex-presidentes em momentos difíceis. Esta semana, foi a vez de Bolsonaro. E, do alto dos 91 anos completados há uma semana, tem dito que a paciência é um ativo crucial no exercício do cargo e que o chefe do Executivo é que tem de se moldar à cadeira presidencial. Dilma não seguiu os conselhos. Deu no que deu.

Um dia daqueles/ Serão, pelo menos, quatro manifestações, hoje, na região central de Brasília: duas das oposições e sindicatos, uma dos bolsonaristas e uma quarta dos partidos de centro. Também, com o desemprego na casa dos 14 milhões, não dá para
ser diferente..

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE