JUDICIÁRIO

Site do STF sofre ataque hacker e fica fora do ar nesta sexta-feira (7/7)

Investigação interna aponta que dados sigilosos não foram comprometidos com as investidas dos criminosos que atuam por meio da internet

Renato Souza
postado em 07/05/2021 15:25 / atualizado em 07/05/2021 15:26
 (crédito: reproduçãoSTF)
(crédito: reproduçãoSTF)

O endereço eletrônico do Supremo Tribunal Federal (STF) sofreu um ataque hacker e foi retirado do ar. A página precisou ser retirada do ar pelo serviço de tecnologia da Corte para evitar o risco de acesso indevido a informações sigilosas. A página ainda permanecia com instabilidade nesta sexta-feira (7/7).

O Supremo sofreu um ataque de negação de serviço, quando diversos computadores são programados para enviar uma grande quantidade de informações ao mesmo tempo, com a finalidade de derrubar uma página da internet.

De acordo com a assessoria do Tribunal, apenas informações públicas foram acessadas. Normalmente, escritórios de advocacia e veículos de comunicação utilizam robôs para buscar informações no endereço eletrônico do STF. No entanto, desta vez, o número de acessos robóticos foi muito superior ao registrado normalmente.

"Para garantir a segurança das informações, o site foi retirado do ar para usuários externos e foram iniciadas análises em diversas de suas páginas. A equipe técnica trabalha para retomada gradual dos serviços a partir desta sexta (7). O acesso fora do padrão foi contido enquanto ainda estava em andamento e, segundo informações preliminares, somente dados públicos ou de características técnicas do ambiente foram acessados, sem comprometimento de informações sigilosas", informou o Supremo, em nota.

Na semana passada, o Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul sofreu um grave e sofisticado ataque de ransomware, onde informações sigilosas de processos, investigações e servidores foram sequestrados por criminosos. O problema ainda não foi resolvido e 75% dos processos estão inacessíveis. No caso do STF, a Polícia Federal deve ser chamada para investigar o caso.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE