COVAXIN

Ministério da Saúde exonera diretor de logística da pasta após escândalo de propina

Saída de Roberto Dias deverá ser publicada na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (30). Representante da empresa de vacinas Davati Medical Supply afirmou ter recebido pedido de propina de US$ 1 por dose em troca de fechar contrato com o Ministério da Saúde.

Ingrid Soares
postado em 29/06/2021 22:25 / atualizado em 29/06/2021 22:46
 (crédito: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)
(crédito: Marcello Casal Jr./Agência Brasil)

O Ministério da Saúde informou na noite desta terça-feira (29/06) a exoneração de Roberto Dias do cargo de diretor de Logística da pasta. Sua saída deverá ser publicada na edição do Diário Oficial da União desta quarta-feira (30). A pasta relatou ainda que a decisão foi tomada na manhã de hoje.

A saída de Dias ocorre após o escândalo de propina noticiado pelo jornal Folha de S. Paulo. Segundo a publicação, Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da empresa de vacinas Davati Medical Supply afirmou ter recebido pedido de propina de US$ 1 por dose em troca de fechar contrato com o Ministério da Saúde. O pedido teria sido feito por Dias. Dominguetti afirmou que Dias teria dito que a negociação "não avançava dentro do ministério se a gente não compusesse com o grupo, que existe um grupo que só trabalhava dentro do ministério, se a gente conseguisse algo a mais tinha que majorar o valor da vacina, que a vacina teria que ter um valor diferente do que a gente estava propondo", afirmou .

"Aí eu falei que não tinha como, não fazia, mesmo porque a vacina vinha lá de fora e que eles não faziam, não operavam daquela forma. Ele me disse: 'Pensa direitinho, se você quiser vender vacina no ministério tem que ser dessa forma", disse o representante à publicação.

Questionado pela Folha sobre qual seria a "forma", Dias teria apontado: "Acrescentar 1 dólar". "Dariam 200 milhões de doses de propina que eles queriam, com R$ 1 bilhão." Segundo o representante das vacinas, o jantar ocorreu em fevereiro, em um shopping.

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid pediu a convocação de Dominguetti. "Já apresentei o pedido de convocação do representante da empresa Davati, que relata ter recebido um pedido de propina para venda de vacinas. Brasileiros morrendo de covid e bandidos atrás de vantagens ilícitas. Precisamos apurar tudo. A CPI segue avançando", afirmou, por meio das redes sociais, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), integrante da CPI.

O senador Omar Aziz, presidente da CPI também comentou a denúncia por meio das redes sociais, caracterizando como "uma denúncia forte", e relatou que Dominguetti deverá depor na próxima sexta-feira, 2/7.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE