Eleições

Bolsonaro diz que vetará fundão eleitoral de R$ 5,7 bilhões

Em entrevista a TV estatal, presidente da República chamou o valor de "astronômico". O valor está previsto na LDO, com votos favoráveis de governistas e do PT.

Luiz Calcagno
postado em 19/07/2021 22:36
 (crédito: EVARISTO SA)
(crédito: EVARISTO SA)

O presidente da República disse, em entrevista à TV Brasil na noite desta segunda-feira (19/7), que vetará o aumento do fundo eleitoral, de R$ 5,7 bilhões aprovado pelo Congresso. O valor, que cresceu R$ 4 bilhões, está previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias e teve o voto de vários governistas, bem como de parlamentares de oposição. Posteriormente à votação, o PSL, partido pelo qual Bolsonaro se elegeu,  posicionou-se contra o chamado fundão. Durante a sessão que aprovou a LDO, porém, os deputados não fizeram objeção.

“O valor é astronômico. Mais R$ 6 bilhões para se fazer campanha eleitoral. Imagina na mão do ministro (da Infraestrutura) Tarcisio (Gomes) esse dinheiro? Poderia ter concluído Porto-Velho-Manaus, que é anseio da população do Amazonas. A bancada do Amazonas, de Rondônia, com toda certeza, poderia até sugeri-los aí. Poderíamos recapear parte considerável da malha rodoviária”, afirmou Jair Bolsonaro.

O presidente também destacou que os recursos poderiam ser usados para construir pontes, ou concluir obras de abastecimento de água na região Nordeste. “Quando se fala em pontes, diminui o tempo de percurso e o custo. Por exemplo, só na região do Abunã, em Rondônia, a balsa deixou de faturar 100 mil por dia. Se esse recurso vai para a mão do ministro Rogério Marinho, do desenvolvimento regional, você pode concluir as obras de água para o Nordeste”, disse.

Bolsonaro afirmou que, caso o texto seja sancionado como está, a verba seria desperdiçada. Porém, mesmo que vete, a base do governo no Congresso, que inclui os parlamentares do Centrão, que são maioria, podem derrubar o veto.

“A cifra enorme, no meu entender, está sendo desperdiçada, caso seja sancionada. Posso adiantar que não será sancionada. Afinal de contas, eu tenho que conviver em harmonia com o legislativo. E nem tudo que eu apresento ao legislativo é aprovado, e nem tudo que o legislativo aprova, eu tenho obrigação de aceitar para o lado de cá. Mas a tendência é não sancionar isso daí em respeito ao trabalhador”, afirmou.

Bolsonaro também prometeu prorrogar o auxílio emergencial, e disse que, até novembro, apresentará um novo Bolsa Família. “Prorrogamos agora, por mais três meses, o auxílio emergencial. Pretendemos, em novembro, já ter um novo bolsa família. O valor será no mínimo de 300. Hoje em dia, a média é de 192. Vamos passar para 300.

Obstrução intestinal

O presidente também comentou a obstrução intestinal que o levou para o hospital na última semana. “Tive uma obstrução intestinal que foi agravada com uma crise de soluço. Só quem já teve soluço por vários dias consecutivos sabe o que é isso. E fui para São Paulo para ser submetido a uma cirurgia. Graças a Deus, o quadro evoluiu durante o próprio voo e, no dia seguinte, sinalizou para não mais fazer a cirurgia”, afirmou Bolsonaro.

Em seguida, o presidente disse que sofreu a crise em decorrência da facada que levou durante as eleições. O chefe do Executivo disseminou então uma notícia falsa. Disse que o autor da facada, Adélio Bispo, é militante do PSol e protegido “por parte da Justiça Brasileira”. Por isso, segundo Bolsonaro, as investigações sobre o ataque “não avançam”.

As investigações sobre o caso já terminaram. A Polícia Federal concluiu que Bispo agiu sozinho, sem ajuda de qualquer partido ou facção política. Laudos indicam que ele sofre de transtornos mentais e, por isso, seria inimputável.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE