Dia dos Povos Indígenas

Tribunal internacional: indígenas acusam Bolsonaro de genocídio e ecocídio

É a terceira vez que o presidente é denunciado em Haia

Thays Martins
postado em 09/08/2021 14:29 / atualizado em 09/08/2021 14:30
 (crédito: Divulgação/Ministério da Defesa)
(crédito: Divulgação/Ministério da Defesa)

O presidente de Jair Bolsonaro será alvo de mais uma ação no Tribunal Penal Internacional, em Haia. Nesta segunda-feira (9/8), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) apresentou uma denúncia por genocídio à Corte.

A denúncia tem como base a morte de 1.162 indígenas de 163 povos durante a pandemia de covid-19 no Brasil. Além disso, o documento aponta uma série de ações contra o meio ambiente promovidas pelo governo Bolsonaro, que levaram ao aumento do desmatamento e atividades ilegais em terras indígenas, e a não demarcação de terras indígenas durante a gestão Bolsonaro. 

O documento foi elaborado por uma equipe de advogados indígenas e foi apresentado ao Tribunal no dia Internacional dos Povos Indígenas, celebrado nesta segunda-feira. A denúncia também acusa Bolsonaro de ecocídio, uma nova tipificação de crime contra o conjunto da humanidade.

Esta é a terceira vez que Bolsonaro é denunciado ao Tribunal Internacional de Haia. Em 2019, o presidente foi acusado pelo Coletivo de Advocacia em Direitos Humanos (CADHu) e pela Comissão Arns por incitação ao genocídio de povos indígenas e pelo avanço do desmatamento na Amazônia. De acordo com o tribunal, essa denúncia está em avaliação preliminar. Esta é a primeira vez que uma denúncia desse tipo contra um presidente brasileiro avança no tribunal.

No ano passado, o presidente também foi denunciado por mais de 60 sindicatos e movimentos sociais pela gestão da pandemia da covid-19.

O Tribunal de Haia, que tem sede na Holanda, julga crimes contra a humanidade e deve ser acionado quando as autoridades competentes do país não têm capacidade para apurar as irregularidades.

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE