Contradição

Presidente de instituto que ataca STF, coronel Helcio se declara a favor da Corte

Durante sessão da CPI da Covid-19, senadores mostraram publicações em que o Instituto Força Brasil critica atuação de ministros do STF, incluindo Cármen Lúcia, responsável por deferir habeas corpus dando ao coronel o direito de permanecer em silêncio durante o depoimento

Bruna Lima
postado em 10/08/2021 16:51 / atualizado em 10/08/2021 16:52
 (crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado)
(crédito: Jefferson Rudy/Agência Senado)

Mesmo presidindo o Instituto Força Brasil (IFB) — que, ao longo da pandemia, organizou várias manifestações que atacaram ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) — o tenente-coronel da reserva Helcio Bruno de Almeida declarou, durante depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19, nesta terça-feira (10/8), ser a favor do Supremo, “sem dúvida nenhuma”.

A afirmação veio após questionamento do vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede/AP), que trouxe, em seguida, fotos de publicações do instituto incentivando manifestações em favor da destituição de ministros do STF. Citando o artigo 38 da Constituição Federal, o texto alega ser crime do STF exercer atividade político-partidária.

As publicações traziam fotos de ministros como Luiz Fux, Roberto Barroso e Cármen Lúcia, magistrada que, inclusive, deferiu habeas corpus ao coronel Hélcio, dando-lhe direito de permanecer em silêncio durante depoimento na CPI. A ministra é frequentemente criticada pelo IFB, inclusive em publicação que diz que o STF é “principal pilar da corrupção. Se eles caírem, o resto cai tudo”.

Atendo-se a esse fato, Randolfe alfinetou o depoente: “Ainda bem que ela não caiu, né coronel? Porque isso possibilitou que o senhor se utilizasse do direito ao silêncio”. Diante da declaração do coronel, de ser “a favor do STF”, Randolfe afirmou que houve uma evolução por parte do militar e deixou um recado para os responsáveis por trás de fabricadores de fake news e dos robôs que atacam os trabalhos do Supremo e da CPI.

“Espero que pensem duas vezes antes de pedir o fechamento do STF. Sempre será necessário recorrer a eles, quem sabe, para ter garantia dos direitos constitucionais”, disse, lembrando, em seguida, uma reflexão do ex-primeiro-ministro britânico Winston Churchill de que a democracia é o pior dos regimes, salvo todas as outras demais alternativas de modelos já adotados ao longo da história.

“A democracia é um sistema tão completo que possibilita àqueles que atacam o regime se utilizarem dos benefícios dele”, completou Randolfe. Isso porque o coronel foi desobrigado a responder perguntas dos senadores, direito conquistado junto ao STF, e, na maior parte do depoimento, se limitou a repetir: “sobre esse ponto, por orientação de meus advogados, permanecerei em silêncio”.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE