CPI da Covid

Entenda como a família Bolsonaro promoveu a Prevent Sênior

O presidente Jair Bolsonaro e dois de seus filhos, Eduardo Bolsonaro e Flávio Bolsonaro, eram grandes defensores da pesquisa denunciada por fraude

Ana Mendonça*/Estado de Minas
postado em 21/09/2021 12:57 / atualizado em 21/09/2021 13:00
 (crédito: Redes Sociais/Reprodução)
(crédito: Redes Sociais/Reprodução)

O escândalo da Prevent Sênior tomou as manchetes brasileiras na última semana. A fraude denunciada na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID, apontava fraudes em um estudo com o chamado "kit COVID", no começo da pandemia. O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e dois de seus filhos, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (Republicanos-RJ) e o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), eram grandes defensores da pesquisa.

A operadora de saúde pretendia confirmar a eficácia da cloroquina e da azitromicina no tratamento contra a COVID. Documentos apontam que o levantamento omitiu mortes de pacientes e que a empresa desrespeitou o próprio protocolo na prescrição dos medicamentos.

O Estado de Minas separou alguns momentos em que a família Bolsonaro defendeu os estudos durante a pandemia de COVID-19.

Uso de respiradores

Em abril de 2020, Flávio Bolsonaro compartilhou uma matéria que afirmava que a Prevent Sênior tinha reduzido o uso de respiradores de 14 para 7 dias usando o 'tratamento precoce'.

“Prevent Sênior diz ter estabilizado a situação, tem vagas de UTI, já deu alta para 400 pacientes que tiveram COVID-19 e criou protocolo que reduziu de 14 para 7 dias o tempo de uso de respiradores. O SUS nunca a procurou para saber qual foi o protocolo usado”, escreveu o filho “01” de Bolsonaro.

Post Flávio Bolsonaro
Post Flávio Bolsonaro (foto: Redes Sociais/Reprodução)

O estudo também foi compartilhado pelo presidente no Facebook. “O estudo completo será publicado em breve”, prometeu Bolsonaro.

Post Jair Bolsonaro
Post Jair Bolsonaro (foto: Redes Sociais/Reprodução)

Ailton Benedicto

Em seguida à defesa do grupo, Flávio Bolsonaro também compartilhou alguns tuítes feitos pelo procurador da República, Ailton Benedicto, em defesa da prescrição de hidroxicloroquina e ivermectina pela Prevent Sênior.

Nos posts, Ailton criticava o portal G1 por ter publicado uma reportagem contra os medicamentos. “O G1 está contrariado porque a Prevent Sênior orienta prescrição de cloroquina para qualquer paciente com mais de 70 anos que esteja com sintomas de febre. O G1 prefere que os médicos neguem tratamento a idosos e esperem que morram para satisfazer o jornalismo”, escreveu.

Ainda em abril de 2020, Flávio compartilhou outro tuíte do procurador. Desta vez, compartilhando a pesquisa da Prevent Sênior.

Post Eduardo Bolsonaro
Post Eduardo Bolsonaro (foto: Redes Sociais/Reprodução)

Live com os médicos

O presidente Jair Bolsonaro fez uma live com os médicos Hélio Beltrão, Zanotto e Pedro Batista Jr, da Prevent Sênior, para falar sobre tratamentos para COVID-19 e a situação da pandemia no país.

Os três médicos são apontados pela CPI como integrantes do “gabinete paralelo” do presidente, que era responsável pelos conselhos em 2020.

Renome internacional

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) também defendeu a Prevent Sênior e ressaltou que a empresa fazia estudos de “renome internacional a favor da hidroxicloroquina”.

“Dia ruim para quem torce pelo vírus. Parabéns à Prevent Sênior. Isto é uma pesquisa séria, feita com CIÊNCIA e não com politicagem disfarçada de medicina”, escreveu.

Post Ailton Benedicto
Post Ailton Benedicto (foto: Redes Sociais/Reprodução)

  • Post Flávio Bolsonaro
    Post Flávio Bolsonaro Foto: Redes Sociais/Reprodução
  • Post Jair Bolsonaro
    Post Jair Bolsonaro Foto: Redes Sociais/Reprodução
  • Post Eduardo Bolsonaro
    Post Eduardo Bolsonaro Foto: Redes Sociais/Reprodução
  • Post Ailton Benedicto
    Post Ailton Benedicto Foto: Redes Sociais/Reprodução
Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE