FISCALIZAÇÃO

TCU adia sessão que julgaria gastos de Bolsonaro com cartão corporativo

Relator do caso, ministro Raimundo Carreiro, foi indicado pelo presidente da República para assumir a embaixada do Brasil em Portugal. As contas apontam que, em 2019, foram gastos R$ 15 milhões no cartão corporativo

Tainá Andrade
postado em 01/12/2021 19:44 / atualizado em 01/12/2021 19:48
O relator do processo que fiscalizou os gastos de Bolsonaro com o cartão corporativo foi indicado recentemente pelo presidente para assumir a embaixada do Brasil em Portugal -  (crédito: Alan Santos/PR)
O relator do processo que fiscalizou os gastos de Bolsonaro com o cartão corporativo foi indicado recentemente pelo presidente para assumir a embaixada do Brasil em Portugal - (crédito: Alan Santos/PR)

A sessão reservada do Tribunal de Contas da União (TCU), prevista para hoje (1º/12), para julgar o processo de mais de 80 páginas que fiscalizou os gastos do presidente Jair Bolsonaro (PL) com cartão corporativo foi adiada. Segundo reportagem do Valor Econômico o relator, ministro Raimundo Carreiro, comentou que o motivo para a mudança de planos foi que a auditoria na área técnica não encontrou “nada demais”.

Nos bastidores, havia a expectativa de que o processo não renderia advertências sérias ao governo. Em 2019 o mandatário e seus familiares tenham gastado em torno de R$ 15 milhões no cartão.

O relator do processo foi indicado recentemente por Bolsonaro para assumir a embaixada do Brasil em Portugal. Além de antecipar a aposentadoria, que ocorreria apenas em 2023. Sobre o assunto, Carreiro disse não se sentir impedido de realizar o julgamento, mas preferiu que a sessão fosse sigilosa, assim como o acordo que fosse feito. A sua nomeação como embaixador foi aprovada ontem pelo Senado.

Impedimento

O deputado Elias Vaz (PSB-GO), integrante da Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara dos Deputados e quem pediu a fiscalização dos gastos de Bolsonaro, pediu também a suspeição da relatoria de Carreiro. A justificativa foi a suposta imparcialidade do ministro em relação ao caso, já que foi convidado para assumir a embaixada.

"Dois aspectos que chamam à atenção. Uma é o ministro não ter se declarado impedido. Agora esse fato de o julgamento ser sigiloso, de a população não poder acompanhar. Isso está gerando indignação", disse o deputado.

O Correio entrou em contato com o Tribunal de Contas da União para comentar o caso. O espaço está aberto para resposta. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE