Congresso

Michelle Bolsonaro e Damares Alves comemoram ida de Mendonça ao STF

Primeira-dama e ministra foram ao Senado para acompanhar de perto a aprovação do nome de Mendonça ao Supremo. Evangélicos telefonaram diariamente para políticos a fim de pedir votos em favor do pastor que se tornará ministro

Luana Patriolino
postado em 01/12/2021 20:14
 (crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
(crédito: Edilson Rodrigues/Agência Senado)

Como parte das comemorações pela aprovação de André Mendonça ao Supremo Tribunal Federal (STF), a primeira-dama Michelle Bolsonaro e a ministra dos Direitos Humanos, Damares Alves, estiveram no Senado na noite desta quarta-feira (1/12). No Plenário, o ex-advogado-geral da União recebeu 47 votos a favor e 32 contra, confirmando maioria para assumir a cadeira deixada pelo ministro Marco Aurélio de Mello, em 12 de julho.

Na chapelaria da Casa, Michelle ainda tirou fotos com apoiadores. Para garantir a aprovação, os evangélicos realizaram uma força-tarefa nacional. Há mais de uma semana, um grupo de 54 pastores e parlamentares ligou diariamente para os políticos para pedir votos a favor, mapear a tendência do Plenário e identificar eventuais traições.

O ex-advogado-geral da União foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro e esperava há quase cinco meses pela aprovação. Mais cedo, na sabatina, ele recebeu 18 votos a favor e 9 contra.

Na sessão da CCJ, Mendonça foi questionado sobre liberdade de imprensa, compromisso com a Constituição, atuação durante o governo Bolsonaro, religião, marco temporal, democracia, casamento homoafetivo, dentre outros. Um dos principais pontos de discussão da sabatina foi a religião do advogado, que é pastor presbiteriano. Ele foi qualificado como “terrivelmente evangélico” por Jair Bolsonaro em uma solenidade na Câmara dos Deputados em 2019.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE