Bolsonaro, de novo, desdenha do cargo

Ingrid Soares
postado em 08/12/2021 00:01

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, ontem, que não sabia "onde estava com a cabeça" quando decidiu concorrer à Presidência da República, mas que agora o cargo é uma "missão". A afirmação foi feita durante evento da Confederação Nacional da Indústria (CNI), quando o chefe do Executivo comentou sobre as eleições de 2022 e a respeito da indicação de mais dois ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) para quem vencer o pleito.

Bolsonaro repetiu também que a cadeira presidencial possui "kriptonita" — substância que tiraria a força do personagem de quadrinhos Super-Homem. "Ano que vem tem eleições. Pode comparar o que aconteceu na vida pregressa com esses candidatos, com o que tem no momento, caso eu venha a ser candidato. Não é apenas uma eleição para presidente. Quem chegar à Presidência vai renovar mais duas vagas no STF no primeiro semestre de 2023. Aquela minha cadeira, pessoal, tem kriptonita. Não queiram aquela cadeira para os senhores", completou.

O rosário de reclamações não terminou. Ele acrescentou: "Vocês podem falar: 'por que quis (a cadeira) para você?'. Eu não sei onde estava com a cabeça, confesso. Mas, agora, é uma missão. Nós devemos unir forças, unir meios para cumprir essa missão. O que mais peço a Deus é ter condições de, lá na frente, entregar o governo para alguém de forma bem melhor do que recebemos em 2019. Não é fácil ser presidente, mas com boas pessoas do seu lado, com o auxílio de todos, superaremos esses obstáculos".

O presidente não perdeu a oportunidade de alfinetar o PT — cujo pré-candidato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ganha de Bolsonaro em todas as pesquisas de intenção de voto para 2022. "Tenho grande honra de ser presidente da República, e uma coisa que me conforta é não ter comunista sentado na minha cadeira", disse.

CONTINUE LENDO SOBRE