Categorias reclamam de perdas

Correio Braziliense
postado em 21/12/2021 00:01

O pedido para o reajuste às polícias havia sido feita pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública e foi encampado pelo presidente Jair Bolsonaro, em aceno a uma categoria estratégica para as eleições de 2022. O plano prevê uma reestruturação de carreiras da Polícia Federal (PF), da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Departamento Penitenciário Nacional (Depen).

Em nota, o presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens, afirmou que o reajuste seria uma conquista importante para a categoria. "As forças de segurança tiveram perdas importantes nos últimos tempos, em momentos como a reforma da Previdência e da PEC Emergencial, por exemplo. Também precisamos de uma Lei Orgânica, que deixe claras as atribuições e competências de cada cargo", frisou.

Segundo um dos negociadores por parte da Polícia Rodoviária Federal, Hiago Ulhoa, o reajuste salarial é uma recomposição das perdas com a inflação. "A gente está reivindicando aqui o aumento do número de cargos, com uma reestruturação, para possibilitar a convocação e a nomeação dos aprovados", disse.

Além das carreiras de segurança, Bolsonaro já prometeu reajuste para todos os servidores em 2022, ano em que disputa a reeleição. "Reajuste seria de 3%, 4%, 5%, 2%, que seja de 1%", frisou o presidente, em entrevista à Gazeta do Povo, no dia 8 deste ano. "Servidor, em grande parte, merece isso", completou.

Os últimos reajustes ao funcionalismo foram aprovados pelo Congresso entre 2016 e 2017. As carreiras com menores salários negociaram aumentos por dois anos — a última parcela entrou em vigor em 2017. Já as carreiras de estado garantiram reajustes por quatro anos, concedidos paulatinamente até 2019.

Tags

CONTINUE LENDO SOBRE