PLANALTO

Análise: filé mignon para general e osso para o povo, o retrato do governo Bolsonaro

Jamais houve um governo tão ruim e, sobretudo, tão perverso quanto este atual, afirma Ricardo Kertzman

Ricardo Kertzman - Estado de Minas
postado em 28/12/2021 16:55 / atualizado em 28/12/2021 17:17
 (crédito:  Reuters)
(crédito: Reuters)

Não. Ninguém precisa me lembrar de Collor, PC Farias e do confisco da poupança. Ninguém precisa me lembrar de Sarney, o criador do maldito centrão, e da hiperinflação. Ninguém precisa me lembrar do mensalão, do petrolão e do triênio recessivo de Dilma Rousseff.

Já tivemos, sim, governos terríveis, péssimos. Já tivemos, também, populistas mentirosos e corruptos. E já tivemos incompetentes aloprados tocando o país. Mas jamais — e eu lhes garanto! — tivemos "tudo isso, ao mesmo tempo, agora" como estamos tendo com o maldito desgoverno Bolsonaro.

Jamais houve um chefe de Estado tão empenhado na morte de brasileiros. Jamais houve um estelionatário eleitoral dessa magnitude. Jamais houve um governo tão ruim, tão incapaz, tão pessimamente aparelhado, tão ideologicamente confuso, tão cruel, tão vil, tão manipulador assim.

Jair Bolsonaro, o verdugo do Planalto, ataca o centrão e logo em seguida declara: "Eu sou o centrão", e entrega o país a Ciro Nogueira e Arthur Lira. Daí, diz:"Acabou a mamata", e torra fortunas em motociatas homicidas e passeios de jet ski pelas praias brasileiras, acompanhado de uma penca de chupins.

Corrupção

O cara comandou uma quadrilha de assalto aos cofres públicos, em conluio com seus filhos, onde empregava funcionários fantasmas e lhes extorquia grande parte dos salários — a conhecida rachadinha, crime de peculato. Mesmo assim, jura, de pé junto, que é honesto e que tudo é perseguição da imprensa.

O sujeito é pego recebendo R$ 90 mil em cheques de um miliciano, através da conta corrente de sua esposa; seu filho compra uma mansão de R$ 14 milhões por R$ 6 milhões, com dinheiro de panetone de chocolate; o outro filho aluga uma outra mansão, sem nem sequer ter renda própria para tanto.

Daí, uma vez na Presidência, amanceba-se com o que há de pior no judiciário de Brasília, para proteger seus filhos. Destrói os órgãos de controle do governo, interfere na Polícia Federal, nomeia petistas raivosos para cargos-chave e consegue o fim da Lava Jato. Mas jura que combate a corrupção.

Mortes

A Bahia derrete sob chuvas e o cretino passeia de lancha em Santa Catarina. O que ele gasta com o cartão corporativo, daria para sustentar, com o tal auxílio emergencial, cerca de 40 mil famílias. Seus ministérios torram fortunas com picanha e filé mignon, enquanto o povo toma sopa de osso podre.

Bolsonaro não é apenas um psicopata, ignorante, negacionista, canalha, não. É muito pior! Nenhum presidente tentou, como ele, golpear de morte nossa frágil democracia. E jamais um chefe de Estado brasileiro conspirou tanto contra a precária saúde da população. Muito menos contra a saúde das crianças.

O amigão do Queiroz não gosta de pretos; já os comparou a animais de corte, que são pesados em arrobas. Não gosta de homossexuais; já disse que prefere um filho morto a um filho gay; é sexista, machista e misógino; gostaria que os índios brasileiros tivessem sido exterminados e por aí vai.

Mas ninguém sabia que era um infanticida também. Sim, afinal, tenta impedir - no mínimo atrasar - a vacinação de nossos pequenos contra o novo coronavírus. A variante ômicron contamina 1 milhão de pessoas, por dia, em todo o planeta, e o maldito não quer ver nossos filhos protegidos da doença.

Câncer

Lula da Silva, o meliante de São Bernardo, é, metaforicamente falando, um câncer. E o devoto da cloroquina, sua metástase. A doença costuma ser pior do que suas ramificações, mas, neste caso, é o contrário. Jair Bolsonaro, o maníaco do tratamento precoce, é muito pior que o maldito chefe do petrolão.

Aliás, é muito pior do que qualquer outra porcaria de presidente que já tivemos por aqui. E como descrevi acima, no início desse texto, concorrência pesada é o que não falta. O Brasil precisa se livrar desse monstro, já que Deus não quis saber e o diabo muito menos. Mais do que política, é questão de vida… ou de morte!

E como provam 620 mil vítimas da covid-19; 500 mil atingidos pelas chuvas na Bahia (dezenas de mortos e feridos, e quase 50 mil desabrigados); 15 milhões de desempregados, muitos dos quais catando sobras nas ruas para comer, a morte tem levado enorme vantagem. Graças a Jair Messias Bolsonaro, o "mito".

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE