Eleições

PL contrata ex-ministro do TSE para defender Bolsonaro na campanha

Tarcísio Vieira de Carvalho vai colaborar na campanha à reeleição do presidente da República, que acumula uma série de desgastes com a Justiça Eleitoral

Deborah Hana Cardoso
postado em 17/02/2022 00:00
Tarcísio Vieira de Carvalho, ex-ministro do TSE -  (crédito: Roberto Jayme/ASICS/TSE)
Tarcísio Vieira de Carvalho, ex-ministro do TSE - (crédito: Roberto Jayme/ASICS/TSE)

O PL contratou o ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Tarcísio Vieira de Carvalho para atuar como advogado na campanha do presidente Jair Bolsonaro.

Apesar de Bolsonaro ainda não ser oficialmente candidato — o lançamento deve ocorrer entre julho e agosto — a adesão do ex-ministro à sua equipe demonstra a estratégia do partido para antever crises com o corte eleitoral. Bolsonaro tem atritos frequentes com a Justiça Eleitoral, particularmente a respeito da confiabilidade das urnas eletrônicas. 

Especialistas ressaltam a estratégia da campanha de Bolsonaro de contratar um advogado com trânsito na Justiça Eleitoral. “Há uma clara sinalização de que o governo precisa do Centrão para governar, e este grupo garante a governabilidade. Nesse caso específico, é possível afirmar que pode ser uma tentativa de usar um profissional que conhece o TSE como forma não apenas de melhorar o trânsito com o tribunal, mas para criar pressão, inclusive porque os ministros sinalizaram que não tolerarão disparos de fake news durante o pleito e que isso poderá resultar em cassação da candidatura”, explicou o cientista político e professor da Mauá, Rodrigo Gallo.

Para o cientista político, os embates tendem a se intensificar nos próximos meses. “Haverá embates jurídicos entre a corte e Bolsonaro, e ele precisará de suporte para não perder as disputas”, afirmou. 

Apesar de questionar a credibilidade das urnas eletrônicas, Bolsonaro não apresentou nenhuma prova que corroborasse com suas suspeitas. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE