Economia

Guedes cita R$ 1,1 trilhão em investimentos: "Brasil está condenado a crescer"

Segundo o ministro, até o final do ano, o Brasil contará com investimentos trilionário contratados em concessões

Ingrid Soares
postado em 15/03/2022 17:38 / atualizado em 15/03/2022 19:39
Guedes ainda agradeceu ao Congresso e disse que a classe política trabalha para quebrar paradigmas em ano eleitoral -  (crédito: Antônio Cruz/Agência Brasil)
Guedes ainda agradeceu ao Congresso e disse que a classe política trabalha para quebrar paradigmas em ano eleitoral - (crédito: Antônio Cruz/Agência Brasil)

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta terça-feira (15/03) que o país está “condenado a crescer”. A declaração ocorreu durante o lançamento do Novo Marco de Securitização e Fortalecimento de Garantias Agro, no Palácio do Planalto. Segundo Guedes, até o final do ano, o Brasil contará com R$ 1,1 trilhão de investimentos contratados em concessões e o comparou ao Plano Marshall, ajuda financeira dos Estado Unidos para reconstruir a Europa após o fim da Segunda Guerra Mundial.

“Até o final do ano, nós vamos a R$ 1,1 trilhão de compromissos de investimentos. São dois planos Marshall. US$ 100 bi foi o que reconstruiu a Europa no pós guerra. Nós temos dois planos Marshall para desenhar o futuro do Brasil já contratados. O Brasil está condenado a crescer. Nós temos R$ 1,1 trilhão de contratos que serão assinados. Esse ano nós temos Eletrobras, Correios, Porto de Santos, Porto de Vitória, Aeroporto Galeão, Aeroporto de Congonhas. Estamos trabalhando”, apontou.

Guedes ainda agradeceu ao Congresso e disse que a classe política trabalha para quebrar paradigmas em ano eleitoral. “O presidente da Câmara e do Senado disseram que querem quebrar o paradigma de que no último ano ninguém trabalha porque só pensa em eleição. É diferente. Esse ano a classe política brasileira está mudando para melhor, está construtiva. Quero agradecer à Câmara e ao Senado porque estão todos nos ajudando a fazer essas reformas”, concluiu.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE