ELEIÇÕES

De olho nas eleições, Bolsonaro aumenta ritmo de viagens pelo país

Em tendência de alta nas pesquisas, o presidente aumenta o ritmo de viagens pelo Brasil, com foco no Norte e Nordeste. Eventos contam com clima de comício antecipado, com a participação de ministros

Ingrid Soares
Deborah Hana Cardoso
postado em 21/03/2022 06:00
 (crédito: Isac Nóbrega/PR)
(crédito: Isac Nóbrega/PR)

Em busca de dividendos eleitorais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) tem aumentado o ritmo de viagens pelo país. A maioria dos eventos realizados desde o começo do ano conta com clima de comício antecipado, onde o chefe do Executivo compareceu acompanhado de seus ministros candidatos às eleições de 2022, e onde tem deixado em evidência a entrega das pastas como da Infraestrutura, Agricultura e Desenvolvimento Regional.

Ainda que de forma lenta, a pesquisa Genial/Quaest , divulgada na semana passada, aponta que o Norte é a região em que Bolsonaro mais recuperou apoio. Em novembro, a avaliação negativa à gestão atingiu o pico de 59% dos eleitores de lá. Em março, o índice caiu para 36%, menor percentual desde agosto passado. A avaliação positiva subiu de 18% para 29%.

Apesar disso, o levantamento mostra ainda que as variações na aprovação do governo foram em menor intensidade nas regiões Sudeste e Nordeste, que somam 69% do eleitorado. Trata-se do reduto petista que Bolsonaro tem se empenhado em conquistar e focado ainda em desgastar a imagem de Lula, principal rival na disputa pelo Planalto, lembrando escândalos de corrupção, finalizando obras de transposição, destacando ter levado água à região e até colocado a culpa pela alta dos preços da gasolina por "refinarias que não saíram do papel".

Na sexta-feira, em sua primeira agenda do ano na região Norte, o presidente visitou o Acre, uma das regiões onde obteve maioria dos votos em 2018. No local, participou da cerimônia de regularização fundiária e de assentamentos, onde entregou mais de mil títulos imobiliários. À plateia, disse que em "três anos, o governo superou em muito o que eles (PT) fizeram no passado". Sobre os documentos de regularização, apontou que os mesmos se tratavam de "uma carta de alforria". "Hoje, vocês não devem favor, nem obediência a quem quer que seja para ocupar esse pedaço de terra", alfinetou.

Na mesma data, participou da inauguração do Complexo Rede Boas Novas e de um encontro com lideranças religiosas no evento do Primeiro Encontro Estadual de Pastores e Líderes da "Fé e Cidadania" das Assembleias de Deus no Acre, filiadas à Convenção Estadual da Igreja Assembleia de Deus (Ceimadac) e do Ministério de Madureira.

Avaliação

De acordo com o deputado Afonso Florence (PT-BA), todas as regiões brasileiras têm quadros eleitorais complicados, mas para Bolsonaro, a rigor, o Nordeste é mais denso devido à preferência pelo PT. "O PT é popular pela melhora nos indicadores sociais e econômicos. Aqui na Bahia, o vice-governador João Leão, do Progressistas, praticamente declarou apoio a Lula, sendo o partido dele da base do governo. Foi inclusive oferecido a Otto Alencar a candidatura ao governo do estado, devido à desistência do senador Jaques Wagner. O partido, já ganhou quatro eleições consecutivas no primeiro turno. É um cenário de disputa." Ele contou que o ex-prefeito de Salvador ACM Neto vem tendo dificuldade em encontrar palanques eleitorais. "Ele é herdeiro de uma das maiores oligarquias do Nordeste (Família Magalhães), mas não quer colar em Bolsonaro, pois sabe de sua impopularidade aqui", completou.

Ainda sobre o Nordeste, o secretário de Gestão de Projetos e Articulação Institucional do Rio Grande do Norte, Fernando Mineiro, explicou que não há um deslocamento pró-Jair Bolsonaro no estado. "Quando ele vem ao estado, vem toda a carga de preconceito contra o Nordeste e contra o povo. Ele se denuncia na região", disse. "O povo sabe, por exemplo, que quem fez a obra de transposição do Rio São Francisco foi o PT, a obra tem pai e mãe. A obra sofreu com o afastamento de Dilma, foi finalizada agora, quem começou fomos nós", completou Mineiro.

Tanto Mineiro quanto Florence foram questionados sobre o uso das emendas de relator (RP9), recurso popularmente conhecido como "orçamento paralelo ou secreto". Mineiro explica que os montantes não têm se revertido em popularidade ao presidente. "O parlamentar pode vir a ser beneficiado, mais do que o presidente. Por mais que os parlamentares usufruam do orçamento, eles não declararão amor ao presidente aqui, pois poderão ser derrotados pela sua impopularidade", disse. Florence ainda explicou que a verba serve aos partidos como estratégia de formar bancada e não para angariar apoio ao presidente. "Sou deputado do interior, não sei como é a aplicação desse recurso, mas ouço isso. Agora, um semipresidencialismo foi implementado com o empoderamento do Centrão pela fatia do orçamento da União", disse.

Em Brasília, Bolsonaro tem aproveitado para realizar diferentes eventos com a ala ruralista e evangélica, sua conhecida base política, e tem tentado ainda conquistar o público feminino, um dos setores que mais reprovam sua gestão, através da aprovação de projetos temáticos. No final da semana, também anunciou um "pacote de bondades" populistas, que contou com a liberação do saque do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e a antecipação do 13°.

Agenda no exterior

O itinerário de Bolsonaro também engloba viagens ao exterior. Em abril, ele vai à República Dominicana e à Guiana — este último, visitaria em fevereiro, mas retornou devido ao falecimento de sua mãe, Dona Olinda. Em junho, comparecerá à conferência pela democracia em Los Angeles, nos Estados Unidos, promovida pelo presidente americano, Joe Biden. Para encerrar, em setembro, pretende fazer o discurso tradicional de abertura dos trabalhos da Assembleia Geral das Nações Unidas.

Pelo mundo

Confira agenda internacional prevista para Bolsonaro até o fim do ano

  • Davos, Suíça (Fórum Econômico Mundial) — 22 a 26 de maio
  • Los Angeles, Estados Unidos (9ª Cúpula das Américas) – 6 a 10 de junho
  • Lima, Peru, visita de Estado ao presidente Pedro Castillo) – junho
  • Paraguai, 60ª Cúpula do Mercosul / Visita de Estado ao presidente Mario Abdo Benítez - 6 de julho
  • Bali, Indonésia (Cúpula do G20 / Visita de Estado ao presidente Joko Widodo) – 30 e 31 de outubro
  • Nova York, EUA (77ª Assembleia Geral da ONU) – setembro
  • COP 27 - 7 de novembro a 18 de novembro
  • Uruguai, encontro do Mercosul - dezembro

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

CONTINUE LENDO SOBRE